Dia de Sensibilização para o Cancro da Tiróide

Cirurgia é a primeira opção terapêutica

Afetanto sobretudo mulheres acima dos 40 anos, o Cancro da Tiróide representa apenas 1% de todos os casos de cancro diagnosticados. Embora raro, a sua incidência tem aumentado nos últimos anos. Para assinalar o Dia de Sensibilização para o Cancro da Tiróide, que se assinala a 24 de Setembro, a especialista em endocrinologia, Luísa Raimundo, revela-nos as causas, os sintomas e os tratamentos desta doença, maioritariamente, benigna.

A tiroide é uma pequena glândula em forma de borboleta localizada na parte anterior e inferior do pescoço, por exemplo nos homens por baixo da maçã-de-Adão

Produz várias hormonas, sendo as principais a as chamadas T3 e a T4. Estas são indispensáveis para o normal funcionamento do organismo. O seu excesso ou deficiência são causa de várias doenças.

As doenças da tiroide são frequentes em especial nas mulheres. Cerca de 40% das mulheres com mais de 40 anos apresentam alterações da tiroide, que se podem manifestar por alterações do funcionamento das células tiroideias ou pela formação de pequenos nódulos (“caroços”).

Os nódulos da tiroide são benignos em 95% dos casos (em 5% pode ocorrer um cancro ou carcinoma da tiroide).

O cancro da tiroide é muito raro embora a sua frequência tenha aumentado nos últimos anos. Em Portugal, diagnosticam-se cerca de 400 novos casos por ano, representando cerca de 1% de todos os cancros.

O seu tratamento e prognóstico dependem do tipo de células da tiroide a partir das quais se desenvolve e da fase do carcinoma à data do diagnóstico. Os carcinomas diferenciados da tiroide, que incluem o carcinoma papilar e o carcinoma folicular, representam cerca de 90% dos casos de cancro da tiroide. São cerca de quatro vezes mais frequentes nas mulheres do que nos homens e habitualmente têm excelente prognóstico.

Quais as causas?

As causas não estão bem determinadas. O cancro da tiroide é mais frequente em pessoas com exposição prévia a altas doses de radiação, com história familiar de cancro da tiroide e com idade superior a 40 anos. Na maioria dos casos não há uma causa identificável.

A exposição a altas doses de radiação em jovens, aumenta o risco de virem a desenvolver cancro da tiroide.

O cancro da tiroide pode ser causado por altas doses de iodo radiativo libertado durante os desastres nucleares, como em Chernobyl e em Fukushima. As crianças são as mais suscetíveis, mas os adultos também são afetados podendo vir a desenvolver cancro da tiroide até quarenta anos depois. A ingestão precoce de iodeto de potássio em gotas (nome, mais dados) pode diminuir de forma significativa este risco.

Como se manifesta e como se diagnostica?

O cancro da tiroide manifesta-se por um nódulo e habitualmente não provoca qualquer sintoma.

Muitas vezes é detetado pelo próprio, que palpa um nódulo no pescoço ou pelo médico num exame de rotina. Pode ainda ser identificado por exames de imagem do pescoço ou tórax (ecografia ou TAC) realizados por qualquer outro motivo.

Em fases avançadas quando o nódulo atinge grandes dimensões pode provocar dor, dificuldade em engolir ou rouquidão.

O estudo do nódulo da tiroide exige a realização de análises para avaliar o funcionamento da tiroide, que por norma são normais, ecografia dirigida à tiroide e ainda biopsia com pequena agulha (citologia aspirativa com agulha fina). Este exame que é de fácil realização, é determinante para o diagnóstico pois permite a colheita de células para análise. Nódulos com dimensões até 1 cm não têm indicação para realizar este exame.

O diagnóstico definitivo é feito pelo estudo da porção de tiroide retirada na cirurgia.

Quais os tipos de cancro da tiroide?

Carcinoma papilar – representa 70-80% de todos os cancros da tiroide. Pode ocorrer em qualquer idade. É de crescimento lento e os gânglios do pescoço pode estar afetados na altura do diagnóstico. Mesmo nesta situação tem muito bom prognóstico.

Carcinoma folicular – representa 10 – 15% dos cancros da tiroide. Ocorre em idades mais avançadas que o carcinoma papilar e provoca mais vezes metástases a distância, no pulmão e no osso, para além do atingimento dos gânglios. 

Carcinoma medular – representa 5-10% dos casos de cancro da tiroide e pode ter carácter familiar e associar-se a outras doenças endócrinas.

Carcinoma anaplástico – é raro, <2% dos casos e de muito mau prognóstico.

Como se trata?

A cirurgia é a primeira opção terapêutica. A remoção total da tiroide (tiroidectomia total) é realizada na maioria das situações, no entanto a remoção pode ser parcial em casos selecionados.

Após a cirurgia é necessário fazer medicação com hormona tiroideia, que terá que ser mantida para toda a vida.

Nos carcinomas de pequenas dimensões e sem gânglios atingidos a cura pode ser atingida apenas com a cirurgia. Nos carcinomas de maiores dimensões, com características mais agressivas e com gânglios afetados é necessário complementar a terapêutica com iodo radioativo. Esta tem como objetivo a destruição de células cancerígenas remanescente e deste modo evitar o risco de recidivas.  

Como se vigia?

Mais de 80% dos casos de carcinoma da tiroide têm cura.

Apesar destes resultados as vigilâncias periódicas são indispensáveis não só para detetar precocemente uma recidiva, mas também para avaliar os níveis de hormonas tiroideia (T3 e T4) e do TSH de modo a ajustar a medicação.

Apesar dos primeiros 5 a 10 anos serem os mais importantes, por ser maior o risco de recidiva, a vigilância deverá ser mantida ao longo da vida.

A vigilância deverá incluir: observação médica, análises, ecografia e TAC.

No caso de recidiva poderá ser efetuada terapêutica com iodo radioativo.

Qual o prognóstico?

De um modo geral o prognóstico é excelente.

Em pessoas com menos de 45 anos e com carcinomas papilares limitados à tiroide, a sobrevivência aos 10 anos é de cerca de 100% e a causa de morte não se relacionará com a doença da tiroide.

O prognóstico piora nas situações em que a remoção do carcinoma não pode ser total com cirurgia ou não é destruído com iodo radioativo. Mesmo nestas situações o prognóstico e qualidade de vida são fracamente bons, quando comparados com outros tumores malignos.

A substituição das hormonas tiroideias permite uma vida normal.

Mensagens-Chave

·         A tiroide é uma glândula em forma de borboleta, situada na face anterior e inferior do pescoço

·         Produz a T3 e T4, hormonas indispensáveis para a vida

·         Os nódulos da tiroide são frequentes, mas raramente malignos

·         A citologia aspirativa da tiroide por agulha fina é fundamental para a caracterização dos nódulos com mais de 1 cm

·         A cirurgia é o tratamento indicado. Pode ser complementado por iodo radioativo

·         O prognóstico é bom na grande maioria dos casos

·         A morte por cancro da tiroide é extremamente rara

·         Se tiver um nódulo da tiroide deve procurar um Endocrinologista

 

Luísa Raimundo - Coordenadora do serviço de Endocrinologia do Hospital Lusíadas Lisboa
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock