Pata D’Açúcar pretende alargar apoio a maior número de diabéticos

Associação portuguesa treina cães que preveem crises de hipoglicemia

Criada há cerca de dois anos, a Pata D’Açúcar tem como missão recuperar animais de abrigo, treinando-os com vista à detecção antecipada de crises de hipoglicemia em doentes diabéticos. Um projeto que pode salvar vidas e que espera chegar a um maior número de famílias.

O método não é novo. Desde 1999 que há diabéticos a usar cães treinados para prevenir crises de hipoglicemia, no entanto, em Portugal a Pata D’Açúcar foi pioneira numa atividade que pode e pretende ajudar a salvar muitas vidas. “A ideia da criação da Associação inicia-se num desafio lançado por uma pessoa com diabetes tipo1 a um treinador profissional de cães”, começa por recordar Nuno Benedito, presidente da associação.

“Após o desafio lançado, foi criada uma equipa multidisciplinar composta por biólogos e endocrinologistas que ajudaram na criação dos primeiros protocolos de treino que foram implementados no primeiro cão e que pertencia à pessoa com diabetes que me lançou o desafio”, acrescenta.

Os animais são sempre recolhidos de abrigos e «recuperados» com vista ao desenvolvimento desta atividade. Por isso, devem obedecer a determinados critérios. “São selecionados mediante a realização de testes específicos de apetência. E, posteriormente são submetidos a rigorosos exames médico-veterinários”. Depois de verificados todos os critérios necessários, estes animais entram num plano sanitário a cargo do departamento veterinário da Associação, que decide quando podem iniciar os protocolos de treino.

“Os cães devem possuir determinadas características. Embora existam raças tipificadas com maiores níveis de apetência para o efeito devido às suas capacidades olfativas, optamos por não especificar qualquer raça em concreto”, revela Nuno Benedito adiando que, deste modo, contribuem com duas linhas de apoio social. “Por um lado ajudamos pessoas com diabetes tipo1, por outro lado resgatamos dois animais por ano de abrigos e mostramos à sociedade que também eles têm capacidades que podem ser potenciadas e ser bastante úteis”, contribuindo assim para a diminuição do abandono animal em Portugal.

Os protocolos de treino aplicados pela Pata D’Açúcar estão tipificados para um ano, no entanto, ao fim de seis meses já é possível observar alguns resultados.

“O treino destes animais consiste no desenvolvimento das suas capacidades olfativas direcionadas para a percepção de terminados níveis de glicose”, começa por explicar o presidente da Pata D´Açúcar. Depois disso, os cães são treinados a sinalizar qualquer alteração.

Para ter acesso a um “cão-médico”, como são carinhosamente apelidados, o doente tem de se candidatar à sua atribuição e obedecer a dois critérios: ser portador de diabetes tipo1 e ser associado da Pata D’Açúcar. “Estando reunidas estas duas condições, a Associação, em data própria, difunde as candidaturas que após serem devidamente preenchidas e remetidas passam pelo escrutínio de uma comissão de seleção de onde dão apuradas quatro candidaturas (duas efetivas + duas reservas) ”, revela Nuno Benedito. Uma comissão de ética atestará depois a imparcialidade desta seleção, bem como o cumprimento integral dos critérios.

Terminado o processo, os tutores frequentam um plano de formação onde aprendem a lidar e a interpretar os sinais do animal, “bem como a fazer a necessária manutenção”.

A grande particularidade deste projeto é a cedência dos animais, por tempo indefinido permitindo que os tutores fiquem com o cão, que tem como principal objetivo a salvaguardar o seu bem-estar. “A razão pela qual se procede desta forma, é para garantir que o bem-estar dos animais é sempre assegurado e também para que, em caso de impossibilidade dos tutores manterem os animais, estes não representem uma sobrecarga”, justifica. A verdade é que quando algum destes princípios é posto em causa, o animal regressa à Associação que “em caso de necessidade, os requalifica e cede a outra pessoa com diabetes tipo1”.

A cedência dos animais do projeto é gratuita, sendo todas as despesas inerentes suportadas pelos parceiros da Associação até à data de cedência de tutela. “Após a cedência de tutela, os tutores apenas têm como custos a alimentação, os cuidados veterinários e o seguro de responsabilidade civil e de saúde dos animais”, acrescenta o treinador, sendo que a Pata D’Açúcar disponibiliza protocolos com diversas entidades onde os tutores podem recorrer para obter preços mais vantajosos.

Atualmente, o projeto apoia nove pessoas com diabetes em sete agregados familiares e espera-se que possa chegar a mais pessoas contribuindo, não só para o aumento da qualidade de vida dos doentes que assiste, como para o resgate e requalificação do maior número possível de animais.

Em paralelo, esta Associação leva a cabo ações de sensibilização e desmistificação sobre a temática da diabetes e do conceito de “Medical Dogs”. E desenvolve ainda, em parceria com uma investigadora portuguesa, um projeto de investigação que atesta as bases científicas da sua atividade. “O nosso projeto de investigação assenta em dois objetivos: em primeiro lugar pretendemos aferir com precisão a diferença temporal que vai da marcação do cão até à detecção feita pelos dispositivos electrónicos atualmente disponíveis para as pessoas com diabetes. Em segundo lugar, pretendemos dar o nosso contributo ao mundo científico na tentativa de descoberta da substância exata que os cães sinalizam”, revela explicando que para tal analisam e relacionam as substâncias emanadas pelas secreções corporais humanas e as alterações orgânicas dos animais.

A técnica de ter um cão-assistente para ajudar a prevenir as crises de hipoglicemia tem vindo a ser amplamente estudada pela ciência. Até agora, os estudos são ainda poucos mas os resultados são bastante promissores.

Sofia Esteves dos Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED