Enfermeiros

Marta Temido
A ministra da Saúde, Marta Temido, disse ontem que equaciona usar meios jurídicos face à nova greve dos enfermeiros nos blocos cirúrgicos de hospitais públicos, referindo que esta paralisação levanta “um aspeto muito sério sobre questões éticas e deontológicas”.
Greve
O Ministério da Saúde considera que apresentou aos sindicatos dos enfermeiros propostas equilibradas e sustentáveis, o mais próximo possível das reivindicações sindicais.
Até final de fevereiro
A greve dos enfermeiros em blocos operatórios de sete hospitais públicos começou hoje às 08:00, estendendo-se até ao final de fevereiro.
Reunião de negociação suplementar
A ministra da Saúde disse ontem esperar que enfermeiros e Governo estejam à altura de responder às necessidades de um Serviço Nacional de Saúde "que funciona de forma tranquila" e que "está lá quando os portugueses precisam".
Sindicato
Os enfermeiros terminam hoje uma greve de quatro dias convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, que decorre desde terça-feira de forma regional para protestar contra o fim das negociações relativas à carreira.
Sindicato dos Enfermeiros Portugueses
A greve dos enfermeiros nos hospitais e centros de saúde da Administração Regional de Saúde do Centro regista uma adesão entre os 55 a 60%, disse hoje o presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.
Convocada pelo SEP
Os enfermeiros iniciam hoje uma greve de quatro dias convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses para exigir a "correta contagem dos pontos para todos os profissionais" e protestar contra o encerramento do processo negocial sobre a carreira.
Ministra da Saúde
A ministra da Saúde lembrou ontem aos enfermeiros que não é possível “corrigir 20 anos numa legislatura”, aludindo ao “histórico de congelamentos” na carreira dos profissionais de enfermagem.
Ministério da Saúde
A greve dos enfermeiros em blocos operatórios vai manter-se suspensa até 30 de janeiro, dia em que haverá nova uma reunião negocial entre os sindicatos e o Governo.
Ministra da Saúde
A ministra da Saúde revelou hoje que as reivindicações dos enfermeiros, se fossem todas atendidas, custariam mais de 500 milhões de euros em efeitos remuneratórios, “um caminho” que Marta Temido considera que não é possível percorrer na totalidade.

Páginas