Opinião

Serviço de Primeira Dispensa: Um novo serviço de proximidade prestado pelo farmacêutico

A prevalência das doenças crónicas está a aumentar em Portugal, induzida principalmente por dois fatores: o aumento da esperança de vida e hábitos de vida não saudáveis.

De acordo com o Inquérito Nacional de Saúde realizado em 2014, mais de 5,3 milhões de residentes em Portugal com 15 ou mais anos referiram ter, pelo menos, uma doença crónica. Entre as mais prevalentes encontramos as doenças cardiovasculares, o cancro, as doenças respiratórias crónicas e a diabetes.

Esta realidade exige o desenvolvimento de serviços cada vez mais vocacionados para a melhoria dos cuidados de saúde dos cidadãos. Viver mais anos, com mais qualidade de vida deve ser o grande lema do sistema de saúde, onde se inserem tanto os profissionais de saúde, como o próprio utente. 

O medicamento constitui uma parte central dos cuidados de saúde. A toma correta dos medicamentos contribui de forma determinante para o controlo das doenças crónicas e consequente melhoria da qualidade de vida das pessoas. No entanto, estima-se que 50% dos cidadãos, em todo o mundo, não toma corretamente os seus medicamentos, o que aumenta a probabilidade de insucesso do tratamento e o aparecimento de complicações evitáveis.

A não adesão à terapêutica é um problema comum, particularmente frequente nas pessoas que se encontram a tomar vários medicamentos e que iniciam um novo tratamento. Um estudo efetuado em 2004 revelou que cerca de um terço das pessoas a quem tinha sido prescrito um novo medicamento não o tomou conforme prescrito, quase metade delas de forma deliberada. Muitas pessoas reportaram ainda necessidades não atendidas de informação e suporte.

Apesar do aconselhamento prestado na farmácia no momento da dispensa do medicamento, quando a pessoa inicia a sua toma começa a experienciar os efeitos do medicamento, surgindo novas questões e preocupações, que têm um grande impacto na adesão à terapêutica. É neste momento, em que as pessoas precisam de respostas, que um serviço de proximidade prestado pelo Farmacêutico pode fazer a diferença.

É neste contexto que surge um novo serviço nas Farmácias Holon - o Serviço de Primeira Dispensa. Este consiste no acompanhamento da pessoa que inicia um novo medicamento e inclui duas consultas farmacêuticas (presenciais ou via por telefónica), a primeira 7 a 14 dias após o início da toma do novo medicamento e a segunda 14 a 21 dias após a primeira consulta. Desta forma, será possível detetar e resolver problemas relacionados com o medicamento, assim como esclarecer qualquer dúvida que tenha surgido.

Este acompanhamento personalizado pretende garantir que o tratamento vai ao encontro dos resultados desejados, contribuindo para a segurança através da prevenção de efeitos adversos e de problemas relacionados com os medicamentos, aumentando o envolvimento da pessoa no seu processo de cuidados de saúde e apoiando-o na tomada de decisões sobre o seu tratamento e autogestão.

Este novo serviço vem complementar os serviços já disponibilizados pelas Farmácias Holon, reforçando a relação de confiança, proximidade, disponibilidade e dedicação que mantêm com os seus utentes.

Maria João Mendes - Intervenção Farmacêutica Farmácias Holon
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.