Insónia é o distúrbio do sono que atinge mais portugueses

O Sono e suas consequências para a saúde física e psíquica

Não há dúvida de que precisamos dormir! Dormir é uma necessidade básica e o sono está intrinsecamente ligado à vida. Fundamental para a nossa recuperação física e psíquica, o sono cumpre várias funções importantes e necessárias para a sobrevivência humana.

Durante o sono, o cérebro desliga-se do ambiente exterior, de forma a restabelecer o equilíbrio bioquímico do organismo e a reorganizar a estrutura emocional. Através do sono, a memória organiza a informação acumulada no dia a dia, de modo a ser catalogada e armazenada, para que mais tarde possa ser recuperada. Para pensarmos, trabalharmos, agirmos ou termos capacidade para decidir, é importante um regime de descanso saudável.

No entanto, a espiral de trabalho diário em que nos encontramos, as exigências, as preocupações advindas de problemas do quotidiano, os distúrbios emocionais, tais como a depressão e a ansiedade, provocam insónias ou um tipo de sono quase consciente, em que parece que estamos em alerta para os barulhos e sensações que nos rodeiam. Este tipo de sono não nos ajuda a recuperar a nossa energia levando-nos, muitas vezes, à privação de sono.

Quando sofremos de privação do sono, um dos maiores fatores de stress para o homem, podemos estar sujeitos a alterações psíquicas e à própria imunidade do corpo. O facto de não dormirmos prejudica gravemente os processos cognitivos, nomeadamente, a atenção, a concentração, o raciocínio e a resolução de problemas. A perda cognitiva, associada à privação de sono, contribui para que, por exemplo, o tempo de reação seja menor, face a estímulos que nos possam pôr em perigo.

A insónia é o distúrbio de sono mais comum em Portugal, é definida como uma experiência subjetiva de sono inadequado ou de qualidade limitada, com prejuízo para o funcionamento profissional, social e execução de atividades diurnas no geral. É o distúrbio de sono mais frequente no adulto e está associado a graves consequências, como o aumento da mortalidade, causada por doenças cardiovasculares, distúrbios psiquiátricos, acidentes e absentismo laboral.

No Modelo Psicoterapêutico HBM (Human Behaviour Map) denominamos dois tipos de insónias, as insónias relativas e as insónias absolutas. As insónias relativas, podem ir de ligeiras a moderadas, causadas por pequenos problemas do dia a dia, ainda por resolver e que causam preocupação, ou por problemas graves, para os quais ainda não temos solução, e cujos riscos, avaliamos como elevados. Geralmente, na base destas insónias estão a ansiedade generalizada, associadas ao medo em falhar, medo de que algo não corra bem, preocupações iminentes, e estados depressivos. São um tipo de insónias que advêm de experiências quotidianas que nos preocupam e que provocam em nós um estado permanente de pensamento e vigilância. As insónias absolutas, são caracterizadas por ausência de sono. As pessoas não conseguem dormir nem descansar, por pouco tempo que seja. Este tipo de insónias está associado ao Síndroma do Pânico.

Os distúrbios do sono, quer sejam decorrentes dos estados emocionais negativos (ansiedade e ou depressão) ou pela falta de cuidado com as horas de descanso, decorrentes das solicitações diárias, do trabalho, da família, etc. provocam consequências nefastas a nível psíquico e físico.

Alguns conselhos como, procurar ajuda psicoterapêutica, a fim de eliminar a depressão e a ansiedade, diminuindo os estados de alerta, na hora do sono, advindos das preocupações e, adotar hábitos de higiene de sono, são fundamentais para promover um sono reparador e regenerador.  Apesar dos especialistas recomendarem sete a oito horas de sono, cada pessoa deve dormir aquilo de que precisa. Nem todos precisamos de dormir as mesmas horas. E o sono varia de noite para noite. 

Algumas dicas como, criar um horário de sono, deitar mais ou menos à mesma hora todos os dias; manter o quarto calmo e isento de estímulos visuais ou sonoros, com uma temperatura adequada; evitar a ingestão de álcool e bebidas com cafeína a partir da tarde; tomar um banho quente e relaxante, podem ajudar a pessoa a relaxar e a dormir melhor. Podemos sempre ler um livro, relaxar todo o corpo e ir desligando dos problemas diários. Dormir é fundamental!

Carla de Oliveira - Psicóloga Clínica Psicoterapeuta
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock