Menos 10 anos de vida para os fumadores

Está na hora de deixar de fumar!

O Dia do Não Fumador surgiu em 1984, sendo comemorado em todo o mundo. Visa sensibilizar e consciencializar as populações para os fatores de risco associados ao consumo de tabaco e divulgar os benefícios da cessação tabágica.

O tabaco representa uma das principais causas evitáveis de doença e de morte prematura. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), morrem, anualmente, cerca de cinco milhões de pessoas, em todo o mundo, em consequência deste consumo, podendo atingir, dentro de três décadas, os dez milhões habitantes/ano.

Na Europa, o consumo de tabaco é responsável por um milhão e 200 mil mortes anuais, número que tende a ascender aos dois milhões. Em Portugal, o consumo de tabaco atinge cerca de 20 a 26% da população, e é responsável por 10,6% das mortes. Em 2016 morreram mais de 11800 pessoas por doenças atribuíveis ao tabaco, o que significa uma morte a cada 50 minutos! Compreende-se assim a dimensão do problema do tabagismo em saúde pública.

Consumo e saúde

O consumo do tabaco contribui para a redução da longevidade. Os fumadores têm, em média, menos dez anos de vida do que os não fumadores, contudo é de salientar o risco também associado ao tabagismo passivo. O tabagismo é um fator de risco também para os não fumadores expostos a ambientes poluídos pelo tabaco. Estima-se que a mortalidade anual associada ao tabagismo passivo, a nível mundial, corresponda a cerca de 900.000 pessoas/ano.

O cigarro contém cerca de 4.000 substâncias com efeitos tóxicos e irritantes, 70 das quais como cancerígenos e ainda substâncias com ação a nível do sistema nervoso e cardiovascular. A nicotina é a principal responsável pela habituação e induz uma depedência fisiológica e psicológica.

Sabe-se que o tabaco é responsável por:

  • 25 a 30% da totalidade dos cancros (incluindo cancro do aparelho respiratório superior, lábio, língua, cavidade oral, faringe e laringe);
  • 90% dos casos de cancro do pulmão;
  • 80% dos casos de doença pulmonar obstructiva crónica.

Ainda a referir: doença cardiovascular, doença cerebrovascular, insuficiência vascular periférica, doenças gastrointestinais; impotência sexual e infertilidade.  
Fumar também aumenta o risco de tuberculose e de problemas do sistema imunológico.

Benefícios da cessação tabágica

São grandes os benefícios associados à cessação tabágica, em todas as idades e circunstâncias, sendo que quanto mais cedo, maiores os benefícios. Pode-se dizer que se iniciam quase de imediato após o consumo do último cigarro.  Após 20 minutos o ritmo cardiaco baixa e em 8 a 12 horas os níveis de monóxido de carbono no organismo baixam e os de oxigénio aumentam.

Os benefícios continuam ao longo dos anos, sendo de salientar que com 1 ano depois o risco de doença coronária é metade da de um fumador, e com 5 anos o risco de cancro da boca e do esófago é reduzido para metade; ao fim de dez anos, o risco de cancro do pulmão é cerca de metade do verificado em fumadores, e o de outros cancros diminui também consideravelmente. Após 15 anos de cessação, o risco de doença cardiovascular é igual ao de um não fumador do mesmo sexo e idade.

Dia do Não Fumador é assim um dia para reflexão, com base na informação e divulgação dos riscos associados ao tabaco e os benefícios da cessação tabágica. É também um dia de acção, pelo desafio lançado a todos os fumadores: Está na hora de deixar de fumar! Vamos ser não fumadores a partir de hoje? Vamos celebrar o dia do Não fumador com o primeiro passo, o passo mais importante para deixar de fumar: decidir e estar motivado!

Dra. Cristina Cristovão - Pneumologista Clínica de Santo António
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.