Compreender a afasia

Afasia: Comunicar é mais do que falar

Atualizado: 
29/03/2019 - 14:52
Vários estudos apontam que cerca de 50% dos indivíduos que sofrem um AVC ficam com problemas de comunicação. Apesar destes números parecerem ser bastante significativos, a afasia continua a ser desconhecida pela maioria das pessoas.

A Afasia é uma perturbação da linguagem resultante de uma lesão cerebral que impede a pessoa de comunicar da mesma forma que fazia antes. Podem ficar afetas: a capacidade de expressar as ideias, pensamentos, de dizer o nome das coisas e das pessoas; a capacidade de compreender o que os outros dizem; e a capacidade de ler e escrever. A inteligência não está afetada e a pessoa continua a ser a mesma, com as mesmas opiniões, sentimentos, conhecimentos e memórias, no entanto, a perturbação da linguagem constitui um muro que limita a expressão das mesmas como antes, acabando por isolar a pessoa com afasia do mundo e dos outros. 

Principais causas da Afasia

A causa mais comum é o Acidente Vascular Cerebral (AVC) podendo também ocorrer devido a um tumor cerebral, traumatismo Crânio-Encefálico e de uma variedade de doenças neurológicas.

Sabe-se que o AVC é a principal causa de morte em Portugal tendo das taxas mais elevadas na União Europeia e pode ocorrer em várias idades. Vários estudos, noutros países, apontam que cerca de 50% dos indivíduos que sofrem um AVC ficam com problemas de comunicação. Apesar destes números parecerem ser bastante significativos, a afasia continua a ser desconhecida pela maioria das pessoas, comparativamente a outras patologias que apresentam taxas de incidência similares ou mais baixas, tais como a Doença de Parkinson ou a Paralisia Cerebral. Este desconhecimento acarreta consequências económicas, psicossociais e políticas, ou seja, menos fundos para a sua investigação, menos dinheiro para os serviços e menos empatia e compreensão para com os indivíduos com afasia que tentam reintegrar-se na comunidade. 

Quais as principais consequências da Afasia?

Quando há uma alteração na capacidade de comunicar de forma adequada e eficiente, reduzem-se as possibilidades de satisfação de necessidades básicas, relacionamento interpessoal e a aquisição ou continuação de desenvolvimento do potencial individual.

Assim sendo, a Afasia, proporcionalmente à sua gravidade, acarreta mudanças psicossociais com impacto na participação e na qualidade de vida dos indivíduos. Simples atividades diárias como ter uma conversa, atender o telefone, ver televisão, ir às compras, pagar uma conta, anotar um recado podem tornar-se, de um momento para o outro, uma fonte de profunda frustração e ansiedade, tanto para a pessoa com afasia como para as suas famílias, amigos e cuidadores.

Intervenção Terapêutica

A pessoa com afasia poderá beneficiar da avaliação e intervenção do terapeuta da fala que é o profissional habilitado para a reabilitação da comunicação, linguagem e fala. Passada a fase inicial, de intervenção focada nos défices linguísticos e quando estes estabilizam, mais que “falar melhor” o objetivo é que “comunique”. A intervenção terapêutica poderá ajudar a restabelecer a comunicação promovendo o uso de quaisquer meios para enviar e receber informação de forma a efetuar transações ou interações sociais, de acordo com as necessidades da pessoa e seus interlocutores. É valorizada a participação e o treino dos parceiros de comunicação. E parceiros de comunicação somos todos nós!

Instituto Português da Afasia

O Instituto Português da Afasia (IPA) é uma Associação sem fins lucrativos que promove a melhoria da qualidade de vida das pessoas com afasia e seus familiares e amigos, com atividades de participação e envolvimento social. É um projeto único em Portugal que traz abordagens terapêuticas que há mais de 30 anos são implementadas e largamente estudadas noutros países.

Então, como pode ajudar?

Respeite e encoraje a comunicação.

Dê tempo para a pessoa falar. Não a interrompa.

Fale frente a frente e devagar (mas não exagere!) Não precisa gritar.

Utilize frases curtas e palavras simples, mas adultas.

Certifique-se sempre que a pessoa está a compreender o que lhe está a dizer.

Ouça até ao fim. Não termine as frases da pessoa nem finja que percebeu. Peça-lhe para repetir ou confirme o que percebeu.

Use e incentive o uso de outras formas de comunicação: faça gestos, escreva palavras importantes (se a pessoa conseguir ler), faça perguntas simples às quais a pessoa com afasia só tenha de responder Sim ou Não.

Encoraje a sua autonomia. Pergunte-lhe a opinião. Deixe-a decidir.

Evite corrigir os erros da fala.

Aja e converse com naturalidade. É um adulto e deve ser tratado como tal.

Peça opinião ao terapeuta da fala porque “cada caso é um caso”, isto é, as mesmas estratégias não resultam de forma igual com todos.

Contactos:

O Instituto Português da Afasia tem sede em Via Adelino Amaro da Costa, 189 (4470-557 Maia).

Local das Atividades - Rua Nova do Estádio nº 244 Sra. da Hora (Matosinhos)

Contactos: [email protected]

Telef.: 910562189  (Dra. Paula Valente - Terapeuta da Fala e Presidente da Direção)

Para mais detalhes sobre a nossa instituição poderá aceder a toda a informação no nosso site e  Facebook

 

Autor: 
Paula Valente - Presidente da Direção do Instituto Português da Afasia
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock