Amenorreia

A amenorreia é a ausência completa de menstruação, quer seja porque nunca tenha aparecido anteriormente (amenorreia primária), quer porque foi interrompida depois de ter aparecido (amenorreia secundária).
A amenorreia pode ser provocada por uma anomalia no cérebro, na glândula hipófise, na glândula tiróide, nas glândulas supra-renais, nos ovários ou em qualquer parte do aparelho reprodutor. Normalmente o hipotálamo (uma pequena parte do cérebro localizada precisamente por cima da hipófise) ordena à hipófise que liberte hormonas que, por sua vez, provocam a libertação de óvulos pelos ovários. Em determinadas doenças, a produção anormal de certas hormonas hipofisárias evita que se libertem os óvulos (ovulação) e pode alterar a sequência de libertação hormonal que provoca a menstruação. Da mesma forma, os valores elevados ou baixos de hormonas tiróideas podem causar amenorreia, reduzir a frequência das menstruações ou impedir o seu início. Na síndroma de Cushing a excessiva produção de cortisol, uma hormona corticosteróide, pelas glândulas supra-renais provoca o desaparecimento da menstruação ou faz com que um ciclo menstrual seja irregular.
O exercício físico extenuante também pode suprimir as menstruações. Provavelmente, o exercício origina uma redução da secreção das hormonas hipofisárias que estimulam os ovários, pelo que estes produzem menos estrogénios e, consequentemente, o fluxo menstrual é interrompido. A ausência de menstruação também pode ser devida a problemas do útero, como uma mola hidatiforme (um tumor na placenta) ou a síndroma de Asherman (substituição do revestimento interno uterino ou endométrio por tecido cicatricial devido a uma infecção ou a uma intervenção cirúrgica).
Algumas mulheres não atingem nunca a puberdade; portanto, a menstruação não se inicia. As causas incluem um defeito de nascença que provoca um desenvolvimento anormal do útero ou das trompas de Falópio e certos problemas cromossómicos (por exemplo, a síndroma de Turner, na qual as células contêm apenas um cromossoma X em vez de dois). Uma causa muito pouco frequente é o pseudo-hermafroditismo masculino, ou seja, uma pessoa que é geneticamente homem converte-se em mulher. Uma menina que não manifeste sinais de puberdade aos 13 anos, que não tenha tido a menstruação aos 16 anos ou que não tenha tido nenhum fluxo menstrual 5 anos depois de ter iniciado a puberdade deverá ser examinada para se excluir a existência de qualquer problema clínico.
Os sintomas variam conforme a causa da amenorreia. Por exemplo, se a causa foi o não se chegar à puberdade, os sinais normais desta (como o crescimento mamário, o pêlo púbico e axilar e as mudanças na forma do corpo) estarão ausentes ou só parcialmente presentes. Se a causa for uma gravidez, os sintomas são enjoos pela manhã e o aumento do volume abdominal. Se os valores da hormona tiróidea forem elevados, os sintomas são uma frequência cardíaca acelerada, ansiedade e pele quente e húmida. A síndroma de Cushing faz com que a cara fique com um aspecto arredondado (cara em lua cheia), o abdómen aumente de volume e as pernas e os braços se adelgacem. Algumas causas, como a síndroma de Asherman, não apresentam sintomas e só se manifestam como uma interrupção da menstruação. Na síndroma do ovário poliquístico aparecem algumas características masculinas, como o pêlo facial, e o ritmo menstrual é irregular ou até desaparece.
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde de A-Z não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO NOME DO MEDICAMENTO: Microlax, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução rectal e Microlax, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução rectalCOMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Composição por microclister: Citrato de sódio: 450 mg ou 270 mg; Laurilsulfoacetato de sódio 45 mg ou 27 mg. Excipiente q.b.p.: 5 ml ou 3 ml. FORMA FARMACÊUTICA: Solução rectal (enema). A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. INFORMAÇÕES CLÍNICAS – Indicações terapêuticas: Tratamento sintomático da obstipação rectal ou recto-sigmoideia; Encopresis; Obstipação durante a gravidez, obstipação associada ao parto e cirurgia (uso pré e pós­operatório); Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópicos. Posologia e modo de administração: Adultos e crianças de idade superior a 3 anos: Administrar o conteúdo de uma bisnaga por dia. Na obstipação marcada pode vir a ser necessária a aplicação do conteúdo de duas bisnagas. Crianças até 3 anos: Na maioria dos casos é suficiente uma bisnaga de Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml. Modo e via de administração: 1. Retirar a tampa da cânula (Microlax a 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml) ou quebrar o selo da cânula (Microlax a 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml). 2. Comprimir ligeiramente a bisnaga até aparecer uma gota na extremidade da cânula. 3.Introduzir a cânula no recto. 4.Comprimir completamente a bisnaga. 5.Retirar a cânula, mantendo a bisnaga comprimida. Contra-indicações:Hipersensibilidade às substâncias activas ou a qualquer dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização: Recomenda-se evitar a utilização de Microlax no caso de pressão hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas. Interacções medicamentosas e outras formas de interacção: Não foram realizados estudos de interacção. Efeitos indesejáveis: Doenças gastrointestinais: Frequência desconhecida (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis): Como em relação a todos os medicamentos do género, um uso prolongado pode originar sensação de ardor na região anal e excepcionalmente rectites congestivas. DATA DA REVISÃO DO TEXTO: Janeiro de 2009. Para mais informações deverá contactar o titular de Autorização de Introdução no Mercado. Medicamento não Sujeito a Receita Médica.