Dia Mundial do Rim assinala-se a 11 de março

Viver bem com a doença renal

Atualizado: 
11/03/2021 - 11:40
A doença renal crónica atualmente afeta cerca de 850 milhões de pessoas em todo o mundo. Um em cada 10 adultos tem doença renal crónica.

Ser diagnosticado com doença renal pode ser um grande desafio, tanto para o doente como para quem o rodeia. O diagnóstico e tratamento, particularmente em estádios avançados da doença renal, tem um impacto nas suas vidas, interferindo na capacidade do doente, familiares e amigos de participar em atividades quotidianas como trabalho, viagens e socialização, além de outros efeitos como a fadiga, a dor, a depressão e os problemas do sono.

Em Portugal mais de 20000 doentes estão dependentes de diálise ou transplante.

Este ano o Dia Mundial do Rim continua a aumentar a consciencialização sobre a carga de doenças renais em todo o mundo e a esforçar-se pela saúde renal. A organização do Dia Mundial do Rim declarou 2021 o ano de “Viver Bem com a Doença renal”.

“O objetivo é aumentar a educação e a consciência sobre o tratamento eficaz dos sintomas, o envolvimento ativo do doente e o seu encorajamento em manter a sua participação na sociedade. Embora as medidas para prevenir a doença renal e sua progressão sejam importantes, os doentes com doença renal, incluindo os que dependem da diálise ou transplante, e seus cuidadores, devem sentir-se apoiados, especialmente durante pandemias e outros períodos desafiadores. A Organização do Dia Mundial do Rim apela para a inclusão na participação no quotidiano como foco principal no cuidado de doentes com doença renal crónica de modo a alcançar o objetivo final de Viver Bem com Doença Renal. Esta abordagem consegue-se com comunicação e pareceria levando a uma mudança de paradigma que pode inspirar confiança e esperança nos doentes”, afirma a Sociedade Portuguesa de Nefrologia

Papel do rim

Os rins desempenham um papel fundamental no equilíbrio do nosso organismo, com eliminação das toxinas existentes no sangue e produção da urina de forma a manter a quantidade adequada da água corporal”, afirma José Assunção nefrologista no Centro Hospitalar de Setúbal, para acrescentar que são também responsáveis pelo controlo da tensão arterial, produção de glóbulos vermelhos e avaliação da vitamina D para fortalecer a saúde dos ossos.

“A hipertensão arterial e a diabetes mellitus são as duas principais doenças que causam doença renal crónica”, sublinha o especialista

“É importante cuidar dos nossos rins, com a ingestão adequada de água, alimentação equilibrada com restrição do consumo de sal, praticar exercício físico, evitar excesso de peso, não fumar, reduzir o consumo de medicamentos anti-inflamatórios e controlar a tensão arterial e os níveis de açúcar no sangue”, aconselha o médico.

As doenças renais podem ser silenciosas durante muito tempo, contudo existem sinais de alarme que devem motivar a consulta com o seu médico assistente: hipertensão arterial, inchaço da face e membros inferiores, falta de ar, redução da produção de urina, dor lombar, sangue na urina, falta de apetite, náuseas, vómitos e comichão.

Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock