Benefícios

O que é a Medicina Regenerativa?

Atualizado: 
03/06/2020 - 11:21
De acordo com o National Health Institute, nos EUA, a medicina regenerativa “tem o objetivo de regenerar tecidos e órgãos danificados no corpo, estimulando os órgãos anteriormente irreparáveis a se curarem”.

O facto de haver doenças crónicas, incluindo a dor, significa que a medicina ainda não conseguiu encontrar cura para muitas condições debilitantes que afetam o ser humano.

Sabemos que no presente certas coisas são impossíveis. Discos intervertebrais danificados não podem ser reparados. Algumas lesões nos ligamentos não cicatrizam. Alguns danos nas articulações são irreversíveis. A cartilagem, uma vez perdida, não há maneira de a recuperar.

O tratamento nesses casos é limitado a ajudar os pacientes a controlar a dor causada por essas patologias. Às vezes com analgésicos opióides, anti-inflamatórios, outras vezes com tratamentos mais eficazes com a medicina de intervenção da dor. Mas sempre com a noção que a causa da dor permanecerá.

Medicina Regenerativa dá nova esperança

Há uma revolução em curso que dá uma nova esperança para as pessoas que sofrem de dor crónica. A medicina regenerativa aproveita e amplifica o poder de cura do corpo para tratar condições antes consideradas intratáveis.

De acordo com o National Health Institute, nos EUA, a medicina regenerativa “tem o objetivo de regenerar tecidos e órgãos danificados no corpo, estimulando os órgãos anteriormente irreparáveis a se curarem”.

Já existem protocolos eficazes de medicina regenerativa disponíveis, e outros estão a ser testados e mostram resultados promissores.

Hoje, a medicina regenerativa consegue curar tecidos conjuntivos, reparar cartilagens danificadas e reconstruir, ate certo ponto, ossos fraturados.

O potencial futuro é ainda mais emocionante. A Medicina regenerativa poderá criar um mundo onde não há escassez de órgãos doadores, onde as vítimas de lesões na medula espinhal possam andar e onde corações enfraquecidos sejam substituídos. Esta é a promessa a longo prazo da medicina regenerativa.

Os milagres de hoje

Na Paincare usamos protocolos de medicina clínica regenerativa de ponta para curar algumas das condições que levam à dor crónica. Em muitos casos, os benefícios vão além do alívio da dor para incluir maior mobilidade e capacidade funcional aumentada. Os resultados transformaram a vida de muitos pacientes.

Plasma Rico em Plaquetas (PRP)

A terapia com plasma rico em plaquetas (PRP) tem sido usada desde a década de 1990 para apoiar a cicatrização óssea, após lesões na medula espinhal e para restaurar tecidos moles após cirurgia plástica. Mais recentemente, o PRP ganhou mais notoriedade tratando das lesões desportivas de atletas de primeira linha, incluindo Tiger Woods, Rafael Nadal e Hines Ward. Hoje, o PRP é usado para tratar tendinites, roturas de ligamentos, músculos danificados e alguns tipos de inflamação.

O PRP vem do próprio sangue de doente, é separado em uma centrifugadora para concentrar as plaquetas e outros fatores de crescimento. Em seguida, injetamos no tecido danificado para promover a cicatrização. O procedimento geralmente leva cerca de 30 minutos. Os efeitos colaterais são mínimos e os riscos são baixos: o doente cura-se com os seus próprios componentes sanguíneos.

Algumas aplicações clínicas do PRP já apresentam evidências sólidas de eficácia. Outros estão mostrando resultados iniciais promissores, mas precisam de mais estudos.

Alfa-2- Macroglobulina (A2M)

A alfa-2-macroglobulina (A2M) é um inibidor de protéase natural. Entre outras funções no organismo, inibe a degradação da cartilagem. E ajuda outros processos biológicos a reparar a cartilagem de forma mais eficaz.

Para pessoas que sofrem de osteoartrite (OA), a cartilagem danifica-se mais rapidamente do que pode ser reparada. Isso pode levar a dores debilitantes na coluna e nas articulações.

Concentrado aspirado de Medula Óssea (BMAC)

O concentrado aspirado de medula óssea (BMAC) é uma concentração das próprias células-tronco mesenquimais do organismo e plaquetas. Para pessoas que sofrem de artrite mais grave que não responde a tratamentos mais conservadores, o BMAC pode ajudar a aliviar a dor e promover a cura.

Um estudo do NIH do BMAC como tratamento para osteoartrite do joelho constatou que, “Em média, os pacientes experimentaram uma redução de

84,31% na dor em repouso, uma redução de 61,95% na dor ativa e um aumento de 55,68% no score funcional no acompanhamento final.

Extraímos a medula óssea do osso ilíaco e depois separamo-la numa centrifugadora para concentrar as células-tronco e as plaquetas. Depois injetamos nas articulações danificadas. Os processos de cura do seu corpo fazem o resto.

As promessas do amanhã

O corpo tem notáveis poderes curativos naturais. Através da medicina regenerativa, já estamos a conseguir alívio para muitas pessoas que sofrem de dor crónica. Talvez, um dia, estaremos regenerando a medula espinhal, restaurando os discos intervertebrais e devolvendo as articulações à funcionalidade total.

Autor: 
Dr. Armando Barbosa - Anestesiologista
Dr. Armando Barbosa – especialista no tratamento da dor nas Clínicas PainCare
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock