O papel da Nutrição Ortomolecular

Envelhecer em pleno e com saúde

Quer envelhecer em pleno e com saúde? Neste artigo a médica especialista em nutrição clínica e ortomolecular, Ana Paula Marum, explica como a Nutrição Ortomolecular o pode ajudar a ser mais saudável.

Envelhecer em pleno e com saúde, mantendo as capacidades, habilidades, funcionalidades e a satisfação pessoal é “desejo de todos mas sabedoria de poucos” e “saber envelhecer é um dos capítulos mais difíceis na grande arte de viver”, segundo Hermann Melville.

Como envelhecer sem ficar envelhecido? Aqui entra o papel da nutrição ortomolecular que significa usar os nutrientes ao serviço da saúde do indivíduo, como um método preventivo e eventualmente terapêutico, com a pretensão de estender qualidade de vida. Os dados demográficos do INE, relativamente à dinâmica da população portuguesa desde 1960 até à estimativa de 2055, mostram uma autêntica inversão da pirâmide demográfica, sendo o grupo etário dos 75 anos o que mais cresce.

O incremento da esperança média de vida confronta-nos com outro problema: o aumento da morbilidade e da malignidade. Como muitos dos mecanismos biológicos intrínsecos ao envelhecimento são comuns aos do cancro, promover o envelhecimento saudável é como prevenir o cancro. As estatísticas europeias dizem que ¼ dos idosos acumulam 5 ou mais doenças concomitantes, o que se traduz num envelhecimento com acumulação de farmacoterapia e baixa qualidade de vida.

Weinert e Timiras teorizaram o envelhecimento mas na prática este depende do equilíbrio oxidação versus proteção antioxidante já que são as espécies reativas do oxigénio as mediadoras dos danos celulares e moleculares que se acumulam aleatoriamente e progressivamente ao longo da vida do indivíduo. A célula tem as suas defesas naturais, as enzimas antioxidantes, todas elas dependentes de micronutrientes. Falamos da glutationa peroxidase, que contém selénio, e da superóxido dismutase, que contém zinco, cobre e manganês, entre outros exemplos.

A teoria dos radicais livres encaixa na teoria mitocondrial do envelhecimento: as mitocôndrias usam oxigénio para produzir adenosina trifosfato (ATP), mas produzem espécies reactivas do oxigénio. Estudos mostram que existe um ciclo vicioso entre a produção destes e as lesões no genoma mitocondrial. Estas lesões acumulam-se durante a vida do indivíduo, reduzindo a capacidade da mitocôndria produzir ATP, predispondo a célula ao envelhecimento e ao cancro.

O que caracteriza uma célula degenerada ou cancerosa em termos energéticos é a perda da capacidade aeróbica de produzir ATP na mitocôndria. Assim sendo, um dos segredos para um envelhecimento saudável e prevenção do cancro passa por manter saudáveis as nossas mitocôndrias, “centrais energéticas” ubiquitárias das células eucariotas, em maior abundância nos órgãos de maior exigência metabólica com por exemplo, o miocárdio.

Como pode a nutrição ortomolecular, com suplementação, favorecer um envelhecimento mais saudável? Seguem exemplos de nutrientes benéficos para um envelhecimento saudável, com suporte científico. A coenzima Q10 é o mais poderoso antioxidante da mitocôndria e potente protetor de todas as membranas celulares, evitando a sua lipoperoxidação. Estudos comprovam o benefício da suplementação com coenzima Q10 nos idosos, nas patologias crónicas associadas ao stress oxidativo 

e nos doentes que tomam medicamentos inibidores da produção de Q10 (estatinas inibem a enzima HMG-CoA redutase, responsável pela síntese hepática de coenzima Q10).

Estudos mostram ainda que a coenzima Q10 protege da miopatia induzida pelas estatinas e ainda que o seu défice é um factor preditivo de mortalidade na insuficiência cardíaca congestiva. Adicionalmente, verifica-se que os sobreviventes do enfarte agudo do miocárdio têm concentrações mais elevadas de coenzima Q10. A coenzima Q10 tem um perfil de segurança altíssimo e sem efeitos adversos descritos, mesmo estudado com doses dez vezes superiores à dose terapêutica recomendada. A relação metabólica entre o Q10 e o selénio explica-se pelo ciclo de regeneração da molécula coenzima Q10 (Ubiquinona/Ubiquinol – forma oxidada/reduzida). Selénio e coenzima Q10 são nutrientes sinérgicos, intervenientes em robustos estudos com dupla suplementação.

Nos últimos 10 anos, a descoberta de polimorfismos associados aos genes das selenoproteínas deu mais relevância ao selénio como antioxidante e anti-inflamatório. O baixo status em selénio tem sido associado ao aumento do risco de mortalidade, baixa função imunológica, risco de doença autoimune da tiroide e ao declínio cognitivo. Um bom status em selénio é essencial para a reprodução bem-sucedida. O benefício da suplementação em selénio está comprovado, especialmente em casos de deficiência.

O KiSel-10 foi um interessante estudo realizado na área da saúde cardiovascular, envolvendo um grupo de 443 idosos suecos suplementados durante 4 anos com 200 µg de selénio e 200 mg de coenzima Q10, em conjunto. Este estudo prospectivo, randomizado, controlado e duplamente cego, resultou de um trabalho conjunto de universidades nórdicas. Demonstrou-se que a intervenção reduziu significativamente a mortalidade cardiovascular, melhorou a função cardíaca ecográfica e bioquímica, com redução do parâmetro NT-proBNT. Seguiu-se um período de follow up de 10 anos sem suplementação, para avaliar os efeitos tardios da intervenção. Para espanto dos investigadores veio-se a demonstrar que se manteve a redução da mortalidade, mesmo 10 anos depois de terminada a suplementação.

Noutras subanálises, foram estudados parâmetros de atividade fibrogénica, para explicar o mecanismo de ação da suplementação na melhoria da função cardíaca, e foram encontradas melhorias significativas na fibrose. Outros estudos confirmam os efeitos benéficos da suplementação com coenzima Q10 nos marcadores inflamatórios: PCR, IL-6 e TNF-α.

Pela sua versatilidade e a segurança, a coenzima Q10 torna-se um sério candidato à prevenção primária cardiovascular. Lembrando outros nutrientes que protegem dos efeitos do envelhecimento, dá-se ênfase aos efeitos da melatonina na homeostase redox e na dinâmica mitocondrial. A vitamina D será um dos mais importantes nutrientes envolvidos no envelhecimento estando descritos os seus efeitos na diferenciação celular, prevenção do cancro e regulação do telómero com efeito na longevidade. O status do magnésio decresce linearmente com a idade podendo predizer a capacidade funcional. Depois destas reflexões nutricionais, fica outra reflexão: quando envelhecer é inevitável, ficar velho será opcional?

O processo evolutivo do stress oxidativo depende da capacidade imune de fazer a clearence das células senescentes e degeneradas: pode evoluir para envelhecimento e cancro ou homeostase com regressão tumoral e rejuvenescimento. Como profissionais de saúde, sensibilizados para esta capacidade regenerativa e como educadores pró-saúde, temos obrigação de passar esta mensagem.

Um cenário ideal de prevenção ativa com nutrição ortomolecular inclui um padrão de alimentação saudável, prática de exercício regular, vigilância analítica regular e, por fim, uma eventual suplementação individual.

Dra. Ana Paula Marum - médica especialista em Nutrição Clínica e Funcional, Medicina Bioreguladora e Ortomolecular.

Referências: 

  • Alehagen U, Johansson P, Björnstedt M, Rosén A, Dahlström U. Cardiovascular mortality and N-terminal-proBNP reduced after combined selenium and coenzyme Q10 supplementation: A 5-year prospective randomized double-blind placebo-controlled trial among elderly Swedish citizens. Int J Cardiol. 2013;167(5):1860-1866.
  • Alehagen U, Aaseth J, Johansson P. Reduced cardiovascular mortality 10 years after supplementation with selenium and coenzyme q10 for four years: Follow-up results of a prospective randomized double-blind placebo-controlled trial in elderly citizens. PLoS One. 2015;10(12):1-16.
  • Johansson P, Aaseth J, Svensson E, Lindahl TL, Alehagen U. Levels of sP-selectin and hs-CRP Decrease with Dietary Intervention with Selenium and Coenzyme Q10 Combined: A Secondary Analysis of a Randomized Clinical Trial. PLoS One. 2015;10(9):e0137680.
  • Johansson P, Dahlström, Dahlström U, Alehagen U. Improved health-related quality of life, and more days out of hospital with supplementation with selenium and coenzyme Q10 combined. Results from a double blind, placebo-controlled prospective study. J Nutr Heal Aging. 2015;19(9):870-877.
  • Alehagen U, Aaseth J, Alexander J, Johansson P. Still reduced cardiovascular mortality 12 years after supplementation with selenium and coenzyme Q10 for four years: A validation of previous 10-year follow-up results of a prospective randomized double-blind placebo-controlled trial in elderly. PLoS One. 2018;13(4):1-15.
  • Alehagen U, Aaseth J, Alexander J, Svensson E, Johansson P, Larsson A. Less fibrosis in elderly subjects supplemented with selenium and coenzyme Q10—A mechanism behind reduced cardiovascular mortality? BioFactors. 2018;44(2):137-147.    
  • Opinion S. Scientific Opinion on the substantiation of health claims related to coenzyme Q 10 and contribution to normal energy-yielding metabolism ( ID 1508 , 1512 , 1720 , 1912 , 4668 ), maintenance of normal blood pressure ( ID 1509 , 1721 , 1911 ), protection of. EFSA J. 2010;8(1924):1-27.
  • Qu H, Guo M, Chai H, Wang WT, Ga ZY, Shi DZ. Effects of coenzyme Q10 on statin-induced myopathy: An updated meta-analysis of randomized controlled trials. J Am Heart Assoc. 2018;7(19):1-11.
  • Pella D, Kumar A, Rosenfeldt F, et al. The Effect of Coenzyme Q 10 on Morbidity and Mortality in Chronic Heart Failure. JACC Hear Fail. 2014;2(6):641-649.
  • Potgieter M, Pretorius E, Pepper MS. Primary and secondary coenzyme Q10 deficiency: The role of therapeutic supplementation. Nutr Rev. 2013;71(3):180-188.
  • Ezekowitz JA. Time to Energize Coenzyme Q 10 for Patients With Heart Failure? ∗. JACC Hear Fail. 2014;2(6):650-652.
  • Shen DD, Linke L, Ahmad S, et al. Coenzyme Q10 dose-escalation study in hemodialysis patients: safety, tolerability, and effect on oxidative stress. BMC Nephrol. 2015;(1):2-9
  • Stoffaneller R, Morse NL. A review of dietary selenium intake and selenium status in Europe and the Middle East. Nutrients. 2015;7(3):1494-1537.
  • Galinha C, Sánchez-Martínez M, Pacheco AMG, et al. Characterization of selenium-enriched wheat by agronomic biofortification. J Food Sci Technol. 2014;52(7):4236-4245.
  • Rosado C, Miranda A, S. A, R. Tavares N, Costa S. Zinc intake and serum levels in Portuguese women living in Lisbon area. J Biomed Biopharm Res. 2017;11(2):201-206.
  • Pavão ML, Nève J, Santos MC, et al. Trace Element Status (Se, Cu, Zn) in Healthy Portuguese Subjects of Lisbon Population: A Reference Study. Biol Trace Elem Res. 2004;101(1):01-18.
  • Rayman MP. Selenium and human health. Lancet. 2012;379(9822):1256-1268.
  • Esteves C, Neves C, Carvalho D. O selénio e a tiróide. Arq Med. 2012;26(4):149-153.
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock