Principais sintomas

Como posso saber se sofro de Bexiga Hiperativa?

Atualizado: 
12/03/2020 - 22:21
Se sente uma vontade imperiosa de urinar, se tem perdas de urina, ou se acorda várias vezes, durante a noite, para ir à casa de banho é possível que sofra de bexiga hiperativa.
Mulher idosa com ar preocupado

Considerada um distúrbio neuromuscular que resulta na contração desadequada da bexiga, a bexiga hiperativa não é em sim uma doença mas antes um conjunto de sintomas com grande implicações no dia a dia de quem dela padece.

A sensação de urgência miccional, isto é, o “desejo súbito e forte de urinar, difícil de controlar” é o principal sintoma associado a esta síndrome. E embora as perdas involuntárias de urina possam acompanhar o quadro, a incontinência urinária pode ou não estar presente no contexto da bexiga hiperativa. Outro aspeto a considerar para o seu diagnóstico prende-se como a quantidade de vezes que tem de ir à casa de banho: se vai 8 ou mais vezes durante o dia e uma ou mais vezes durante a noite, poderá sofrer desta síndrome.

Embora na maioria dos casos não se consiga determinar a suas causas, designando-se por isso como bexiga hiperativa idiopática, esta pode surgir na sequência de algumas doenças neurológicas, como a esclerose múltipla, a doença cerebrovascular, a doença de Parkinson ou em resultado de traumas e lesões na coluna. Por outro lado, as alterações estruturais da própria bexiga, do seu músculo e dos órgãos adjacentes podem estar na origem desta síndrome.

Sabe-se ainda que as pessoas com depressão ou os diabéticos insulinodependentes apresentam maior risco de desenvolver bexiga hiperativa. E, embora, esta síndrome possa atingir qualquer pessoa, de qualquer sexo e de qualquer idade, estima-se que a sua prevalência aumente com a idade, uma vez que as alterações fisiológicas associadas ao envelhecimento, e que produzem, por exemplo, alterações do tónus muscular, também favorecem o seu desenvolvimento.

O seu diagnóstico é habitualmente fácil, tendo em conta os sintomas descritos. No entanto, são ainda poucos os casos que chegam ao consultório médico, o que faz desta uma patologia fortemente subdiagnosticada. É que, por desconhecimento ou vergonha, acredita-se que uma percentagem elevada de doentes se acomode à situação e aceite esta síndrome como algo inevitável.

Segundo Geraldina Castro, especialista em ginecologia e obstetrícia da Maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra, dependendo da intensidade dos sintomas, esta é uma síndrome que pode alterar por completo a vida de uma pessoa. Não só a nível pessoal, como social e profissional, sendo por isso essencial reforçar a mensagem de que, apesar de esta ser uma condição clínica sem cura, ela pode ser controlada. Importa ainda referir que a bexiga hiperativa pode apresentar períodos de ausência completa dos sintomas e outros de agravamento, pelo que o tratamento tem de ser adaptado a cada fase.

Entre as opções terapêuticas disponíveis encontram-se a terapia comportamental, a terapia farmacológica e a cirurgia.

Relembramos ainda que o exercício físico, a par de uma alimentação saudável, são essenciais para o controlo da doença uma vez que, para além de combater o excesso de peso, irá contribuir para o fortalecimento dos músculos do pavimento pélvico.

Artigos Relacionados: 

Bexiga Hiperativa: “alguns médicos não estão familiarizados com este problema”

Mais de metade dos doentes abandona tratamento 

Como manter a bexiga saudável

Autor: 
Sofia Esteves dos Santos
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock