Artigo de Opinião

Universal Heatlh Coverage Day

O acesso à Saúde é um direito humano fundamental e foi a pensar no princípio básico de que os cuidados de saúde devem chegar a qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo, independentemente da sua condição económica, que nasceu o Dia da Cobertura Universal de Saúde. Neste artigo, a especialista Ana Isabel Pedroso, relembra a importância da data que se assinala hoje.

Desde 2014 que existe um dia para relembrar a Saúde o “Universal Heatlh Coverage Day” (UHC) ou Dia da Cobertura Universal de Saúde que se celebra a 12 de Dezembro.

Esta organização universal baseia-se na constituição de 1948 da Organização Mundial de Saúde (OMS) e na declaração de Alma-Ata de 1978 que afirmam que a saúde é um direito humano fundamental e não um privilégio, sendo uma das metas mundiais para a melhoria social. Conta com mais de 840 organizações mundiais e mais de 350 economistas de 110 países.

A OMS define a saúde como o “completo bem-estar físico, mental e social, e não simplesmente a ausência de doença ou enfermidade”.

Mas como é possível fazer com que todos consigam atingir esta plenitude, este direito básico que por vezes se torna tão complexo? Uma estratégia são as conferências para a promoção de saúde, que existem desde 1986.

Porém, é necessário chamar a atenção dos governos e grandes potências mundiais, porque todos devem de ter acesso a um serviço de saúde quer seja preventiva ou curativa, de reabilitação ou paliativa, com qualidade adequada e que não exponha o doente a dificuldades económicas.

A UHC tem então três grandes objectivos:

1)      Equidade no acesso aos Serviços de Saúde- a saúde como direito e não só para aqueles que o podem pagar;

2)      Serviços de Saúde de qualidade adequada;

3)      Proteger as pessoas de risco financeiro - só por terem necessidade de recorrer a estes serviços não devem ficar em risco.

Optimizar a política de financiamento de saúde é fundamental, por isso mais de 267 economistas de 44 países assinaram em Setembro de 2015 uma declaração que explicita porque faz economicamente sentido investir na saúde. Esta declaração foi publicada no The Lancet e no The New York Times.

E hoje é o dia! O dia em que todas estas organizações mundiais, incluindo a OMS se juntam e discutem formas de fazer chegar a todos, em qualquer local do mundo, um serviço de saúde eficaz e financeiramente acessível.

Este ano vão-se definir objectivos para 2030:

- Priorizar o pobre - colocar os marginalizados e mais necessitados em primeiro lugar;

- Exigir uma acção politica - não esperar que esta surja, exigi-la;

- Humanizar o sistema de saúde - que seja para todos, de fácil acesso e de qualidade;

- Redefinir a segurança em saúde - devemos de salvaguardar todos em qualquer lugar do mundo.

Este é um pilar fundamental para um desenvolvimento sustentável mundial e hoje é o dia!

Dra. Ana Isabel Pedroso - Especialista em Medicina Interna Hospital de Cascais
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Dra. Ana Isabel Pedroso