Aumento da procura

Seguros para doenças graves: é preciso atender às exclusões

Segundo a ASF (Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões), em 2015 os prémios brutos emitidos pela atividade dos seguros de saúde alcançaram 972.662 mil euros, o que revela um aumento de 23,6% face ao ano precedente. Com o aumento da procura por seguros de saúde que cubram doenças graves, as seguradoras têm desenvolvido soluções para dar resposta às exigências dos consumidores portugueses. No entanto, é preciso ter em atenção que a maior parte dos seguros exclui doenças graves que já se encontrem em estado avançado.

O número de pessoas em Portugal com doenças graves – oncológicas e de outro foro – tem aumentado de ano para ano, ao passo que o desenvolvimento da Medicina e o diagnóstico atempado têm permitido o crescimento dos casos de tratamento com sucesso e a melhoria da qualidade de vida das pessoas a quem são diagnosticadas doenças desta natureza.

Os próprios seguros de saúde, cuja contratação tem vindo a aumentar, podem ter contribuído para uma maior assiduidade na realização de check-ups anuais (o que permite o referido diagnóstico atempado), bem como para a concretização de melhores tratamentos.

Para quem considera o seguro de saúde como essencial e coloca de parte uma porção do seu orçamento mensal para esta despesa, existem três aspetos a ter em consideração na hora de procurar o que existe no mercado: quais são as enfermidades que estão efetivamente cobertas pelo pacote do seguro? Quais as especificidades em que a pessoa segura está efetivamente segurada? Até que valores podem chegar os prémios anuais?

Para responder a estas questões, tomemos o perfil exemplificativo da Joana, com 35 anos de idade, casada e com dois filhos. Preocupada com a sua saúde e com a dos seus – especialmente depois de ter recebido a notícia de que uma das suas colegas de trabalho havia sido diagnosticada com cancro da mama -, resolveu percorrer o mercado dos seguros de saúde contra doenças graves e deparou-se com uma série de exclusões.

Geralmente, um seguro de saúde para doenças graves pode abarcar seis grandes coberturas. Em primeiro lugar, uma das coberturas que geralmente se encontra sempre incluída é a da hospitalização (período em que o paciente permanece no hospital).

Em segundo lugar, há que mencionar o subsídio diário em caso de internamento - trata-se de um valor fixo para fazer face a gastos que surjam enquanto o paciente se encontra internado e que não façam parte da cobertura de internamento - e a chamada cobertura internacional – vocacionada especialmente para quem vive, trabalha ou estuda no estrangeiro, oferecendo uma proteção global, mas também dando a possibilidade de o segurado, diagnosticado em Portugal, se tratar noutro país.

No âmbito desta última cobertura, podem estar incluídos os custos da viagem, do acompanhante e até o alojamento no exterior, bem como o transporte em ambulância (se o mesmo for necessário).

Estes seguros podem abranger ainda a chamada medicina preventiva, que engloba em si a prevenção de doenças, seja esta materializada em rastreios, programas de vacinação ou aconselhamento médico, por exemplo.

Finalmente, cabe mencionar o rol de doenças que geralmente se encontram efetivamente cobertas pelos seguros para doenças graves (que costumam ser transversais a todas as soluções): as mais contempladas são as oncológicas e os enfartes do miocárdio, seguindo-se as neurocirurgias, bypass de artérias coronárias e transplantes de órgãos.

Relativamente às exclusões, é importante referir que o Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (SIDA) - ou qualquer tipo de complicação que surja em decorrência do mesmo - nunca está abrangido por estes seguros. Alguns pacotes excluem ainda pessoas que careçam de hemodiálise, assim como de transplantes de órgãos ou tecidos.

Mas quanto pagaria a Joana por um seguro para doenças graves? O prémio de um produto desta natureza pode oscilar entre os 450 e os 1200 euros – as diferenças podem assim chegar aos 750 euros. Quantas mais coberturas estiverem incluídas, mais elevado será o prémio, à partida.

Porém, há que salientar que, regra geral, os seguros de saúde nos quais estão contratadas as coberturas de doenças graves dizem respeito aos pacotes premium, isto é, os que possuem prémios mais elevados e aqueles em que a pessoa segurada tem, consequentemente, um capital universal muito mais elevado.

Por norma, os planos com capitais universais mais abrangentes só podem ser contratados como complemento à oferta-base, não podendo ser contratados independentemente.

Ainda assim, para além da opção de ter um seguro de saúde mais amplo, existe ainda uma outra solução já disponível no mercado português: a possibilidade de contratar um outro seguro isoladamente, vocacionado especificamente para doenças graves, que complemente o seguro de saúde que já se tenha, e que poderá acabar por ter um preço muito mas competitivo do que um seguro de saúde premium.

A aposta dos portugueses na contratação de um seguro de saúde é cada vez maior, tal como indicam os estudos que têm sido levados a cabo nesta área – só no espaço de um ano, de 2014 para 2015, registou-se um crescimento na ordem dos 3%. Porém, este tipo de coberturas [doenças graves] não costuma constar nos planos base dos seguros de saúde, uma vez que estas doenças constituem um risco maior para as seguradoras, esclarece e conclui Miguel Mamede, responsável pela área de seguros do ComparaJá.pt.

Fonte: 
ComparaJá.pt
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
ShutterStock

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Frenalgil Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. -Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico. -Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. -Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. Neste folheto: 1. O que é Frenalgil e para que é utilizado 2. Antes de utilizar Frenalgil 3. Como utilizar Frenalgil 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Frenalgil 6. Outras informações 1. O QUE É FRENALGILE PARA QUE É UTILIZADO O Frenalgil é um medicamento anti-inflamatório não esteróide para uso tópico, incluído no seguinte grupo farmaco-terapêutico: Grupo 9.1.10 – Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Antiinflamatórios não esteróides para uso tópico Código ATC: M02AA15 Frenalgil está indicado no tratamento da inflamação pós-traumática dos tendões, ligamentos, músculos e articulações (devida, por ex., a entorses, luxações e contusões); formas localizadas de reumatismo dos tecidos moles, (por ex: tendovaginite, bursite, síndroma ombro-mão e periartropatia) e formas localizadas de reumatismo degenerativo (por ex: osteoartrose das articulações periféricas e da coluna vertebral). 2. ANTES DE UTILIZAR DICLOFENAC JABA Não utilize Diclofenac Jaba -se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa ou a qualquer outro componente de Diclofenac Jaba. -se tiver crises de asma, urticária ou rinite aguda precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros fármacos anti-inflamatórios não esteróides. Tome especial cuidado com Diclofenac Jaba -Frenalgil só deve ser aplicado em superfícies de pele intacta, saudável (sem feridas abertas ou lesões). -Deve evitar-se o contacto com os olhos ou com as mucosas. -Nunca deve ser administrado por via oral. Utilizar Frenalgil com outros medicamentos Não foram referidas quaisquer interacções medicamentosas até à data. No entanto, informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou a utilizar ou tiver tomado ou utilizado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Gravidez e aleitamento Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. Dado não existirem dados sobre o uso de diclofenac na mulher grávida, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e o aleitamento. Tal como no caso de outros inibidores da prostaglandina sintetase, esta recomendação aplica-se em particular aos três últimos meses de gravidez (dada a possibilidade de diminuição da actividade uterina e/ou encerramento prematuro do canal arterial). Condução de veículos e utilização de máquinas Não foram referidos quaisquer efeitos sobre a capacidade de conduzir veículos e utilizar máquinas. Informações importantes sobre alguns componentes de Diclofenac Jaba Propilenoglicol: pode provocar irritação da pele. Álcool Cetostearílico 20 etoxilado: pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto). Butil-hidroxitolueno (E321): pode provocar reacções locais na pele (p. ex. dermatite de contacto), ou irritação nos olhos e nas membranas mucosas. 3. COMO UTILIZAR DICLOFENAC JABA Utilizar Frenalgil sempre de acordo com as indicações do médico ou do farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O tratamento habitual é o seguinte: Adultos: Frenalgil deve ser aplicado na pele 3 ou 4 vezes por dia, friccionando levemente. A quantidade necessária depende das dimensões da zona dolorosa (por ex: 2-4 g de Frenalgil é suficiente para tratar uma área de aproximadamente 400-800 cm2). Devem lavar-se as mãos após a aplicação, excepto se forem estas o local a tratar. A duração do tratamento depende da indicação e da resposta obtida. Recomenda-se proceder a uma avaliação do tratamento decorridas 2 semanas. Crianças: Não foram devidamente estabelecidas recomendações posológicas e indicações para o uso de Frenalgil em crianças. Se utilizar mais Frenalgil do que deveria A reduzida absorção sistémica de diclofenac tópico torna improvável a ocorrência de sobredosagem. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, Frenalgil pode causar efeitos secundários em algumas pessoas, nomeadamente: Reacções locais Ocasionais: dermatite de contacto, alérgica ou não-alérgica (com sintomas e sinais como: prurido, eritema, edema, pápulas, vesículas, bolhas ou descamação cutâneas). Reacções sistémicas Em casos isolados: exantema cutâneo generalizado; reacções de hipersensibilidade (por ex: crises asmáticas, angioedema); reacções de fotosensibilidade. Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. 5. COMO CONSERVAR DICLOFENAC JABA O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação. Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Frenalgil após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente. 6. OUTRAS INFORMAÇÕES Frenalgil é um medicamento sujeito a receita médica. Qual a composição de Diclofenac Jaba -A substância activa é diclofenac. Cada grama de gel contém 11,60 mg de diclofenac dietilamónio, correspondente a 10,00 mg de diclofenac. -Os outros componentes são: parafina líquida, dietilamina, propilenoglicol, álcool Cetostearílico 20 etoxilado, oleato de decilo, carbómero, butil-hidroxitolueno (E321), essência Melody, álcool isopropílico e água purificada. Qual o aspecto de Frenalgil e conteúdo da embalagem Frenalgil apresenta-se na forma de gel. As embalagens contêm uma bisnaga de 40 g, 60 g ou 100 g. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Jaba Recordati, S. A. Lagoas Park, Edificio 5, Torre C, Piso 3 2740 - 298 Porto SalvoPortugal Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM 14-11-2008 INFARMED