Exercícios benéficos

Reumatismo

Amplitude de movimentos é a capacidade de mobilidade de uma dada articulação. Estes movimentos são definidos relativamente aos diferentes planos do corpo.

 

 

 

 

 

 

 

Basicamente, existem nove tipos de movimentos que as articulações podem efectuar:

  • Flexão – movimento de dobrar ou curvar;
  • Extensão – movimento de esticar, distender;
  • Abdução – movimento de afastamento em relação à linha média do corpo;
  • Adução – movimento de aproximação da linha média do corpo;
  • Circundação – movimento de rotação (circular);
  • Supinação – movimento de virar a palma da mão para cima;
  • Pronação – movimento de virar a palma da mão para baixo;
  • Flexão plantar – movimento de dobrar o pé para baixo;
  • Dorsiflexão do pé – movimento de dobrar o pé para cima (movimento do tornozelo).

Todos os movimentos descritos são muito importantes para manter as articulações e os músculos flexíveis, tornando-os mais fortes, além de prevenir a sua retracção (contracturas).

Estes exercícios articulares podem ser efectuados de três formas:

  • Mobilização passiva, que é a mobilização executada por outros. Por exemplo, um segmento do corpo (braço, perna, mão, etc.) é mobilizado por uma enfermeira, fisioterapeuta, ou familiar (ajudante), de modo a executar todos os movimentos possíveis nas respectivas articulações. Este tipo de exercício não fortalece os músculos, mas ajuda a manter e a recuperar as amplitudes (movimentos) articulares.
  • Mobilização activa, que é a mobilização executada pelos próprios, sem a ajuda de outrem. Os exercícios são executados utilizando-se apenas os próprios músculos, tornando-os assim mais fortes.
  • Mobilização activa funcional, que é a mobilização executada pelos próprios, simultaneamente, em várias articulações e grupos musculares. Quando a pessoa se vira na cama, se senta ou se levanta da cama ou da cadeira, fazem-se movimentar muitas articulações, tornando- as mais flexíveis, e grupos musculares, fortalecendo-os. Além disso, diminui-se também a tendência para as retracções (contracturas). Estes movimentos são muitos úteis no dia-a-dia.

Exemplos de exercícios de mobilização activa

Ombros

  • Levante o braço acima da cabeça. Se for necessário, ajude com a outra mão, pegando no pulso do braço mais afectado.
  • Segure o braço mais afectado, colocando a outra mão no cotovelo, e levante os braços até ao nível dos ombros (posição de embalar), movimentando-os então de um lado para o outro.
  • Coloque as duas mãos atrás do pescoço e movimente então os cotovelos aproximando-os até se tocarem; a seguir, volte a afastá-los o mais que puder.

Cotovelos

  • Dobre o braço (flexão do cotovelo), de modo a tocar com a mão no ombro.
  • Vire a palma da mão para cima e depois para baixo, com o antebraço (cotovelo flectido a 90°) a nível da cintura.

Pulsos

  • Apoie o pulso sobre o joelho e dobre-o para cima (extensão) e para baixo (flexão) o mais que puder.

Dedos

  • Coloque a mão aberta sobre uma mesa, com a palma virada para cima; então, feche e abra a mão o mais que puder.
  • Dobre várias vezes o polegar até ao dedo mínimo, com a mão na mesma posição.
  • Aproxime e afaste várias vezes o polegar e o indicador.

Anca

  • Deitado de costas, levante o joelho até ao peito, dobrando a anca o mais possível. Se necessário, peça ajuda para lhe ampararem (por baixo) o joelho e o calcanhar.
  • Na mesma posição (joelho em extensão), estique a perna e levante-a o mais que puder; conte até cinco e depois baixe-a lentamente. Se for necessário, peça ajuda.
  • Dobre a coxa (anca) e o joelho cerca de 90°, de modo a ficar em ângulo recto, com o pé sempre assente na cama; rode então a perna (joelho) para fora, afastando-a da linha média do corpo, e depois em sentido contrário (para dentro). Um ajudante pode auxiliálo, amparando-lhe o joelho e o calcanhar.
  • Na mesma posição, deitado de costas na cama, e com os dedos dos pés apontados para o tecto, rode a perna para dentro e depois para fora (dedos apontados para o ajudante).
  • Mantendo as pernas com os dedos dos pés para cima, como anteriormente, afaste uma das pernas, sempre na horizontal, para fora e, depois, volte a aproximá-la da outra perna.
  • Com os joelhos dobrados e os pés bem assentes na cama, procure levantar as ancas (coxas) o mais que puder.

Joelhos

  • Deitado de costas na cama, levante a coxa e puxe o pé para trás, fazendo-o deslizar ao longo da cama, até o calcanhar tocar na nádega, provocando a flexão do joelho; depois, volte a esticar a perna. O ajudante pode auxiliar, amparando a coxa e o tornozelo.
  • Na mesma posição, dobre a coxa (anca) a 90°; depois, dobre o joelho o mais possível e volte a esticar a perna. Repita este exercício 5 vezes.

Pés

  • Deitado de costas na cama e com as pernas esticadas, vire (rode) o pé para dentro e para fora.
  • Na mesma posição, dobre os dedos dos pés para baixo (flexão plantar) e depois para cima (flexão dorsal).

Faça estes exercícios, uma ou duas vezes por dia, repetindo-os várias vezes sem provocar dores excessivas e sem se fatigar demasiado.

Fonte: 
DGS
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock