Dúvidas e riscos

Implantes mamários

Habitualmente podem esperar-se edema, aumento da consistência mamária, desconforto local, dor e equimoses. Alguns destes sintomas podem persistir dias ou algumas semanas. Informe-se acerca do tempo de recuperação previsível.
Implantes mamários

Quais as consequências previsíveis da cirurgia e potenciais riscos?
Sintomas ou sinais como edema exagerado, perda de volume da mama, exsudação (perda de líquidos) pela ferida, dor excessiva ou calor local devem ser referenciados ao médico a fim de serem esclarecidos, pois podem corresponder ao aparecimento de complicações.

Deve ter em consideração que podem surgir alterações temporárias da sensibilidade mamária (em alguns casos pode ser permanente), que podem decorrer diversos meses até que a aparência mamária seja natural e que poderá ser necessário algum tempo de suspensão de algumas actividades, dependendo do tipo de intervenção cirúrgica e tipo de actividade desempenhada.

Riscos potenciais

Contratura capsular
O organismos humano reconhece o material implantado como um corpo estranho levando ao aparecimento de tecido fibroso (tecido cicatricial) em torno do implante. Esse tecido tem tendência a contrair num grau que varia de pessoa para pessoa. Dessa contratura pode resultar uma aparência mais dura da mama e mesmo alteração da sua forma. Pode também surgir dor.

Trata-se da complicação mais frequente da aplicação dos implantes mamários e a qual determina também, com maior frequência, necessidade de nova intervenção cirúrgica para remoção da cápsula fibrosa e do implante e, eventualmente, substituição deste.

Este tipo de complicação é aparentemente menos frequente com as próteses texturadas.

Procure informar-se junto do cirurgião das atitudes terapêuticas possíveis face ao aparecimento de contractura.

Ruptura e duração dos implantes
A ruptura resulta do aparecimento de uma fenda ou buraco no invólucro de silicone permitindo a saída do seu conteúdo. Tratou-se de uma complicação descrita com alguma frequência nos implantes mais antigos, com um revestimento mais fino, mas que parece ter diminuído nos mais modernos. A esperança de vida média para os diferentes tipos de implantes existentes é muito difícil de determinar, uma vez que existem poucos dados objectivos e para os mais recentes o tempo decorrido desde o seu aparecimento não permite tirar conclusões nesta área. Por outro lado, as técnicas existentes que potencialmente poderiam ser utilizadas para detectar esta complicação não são capazes de as detectar ou indicam por vezes ruptura quando esta não existe.

A ruptura pode não ocasionar problemas médicos relevantes, pois no caso dos implantes cheios com gel, este pode continuar contido dentro da cápsula fibrosa formada em torno do implante e ser removido quando se remover o implante. Em alguns casos, no entanto, o gel de silicone pode difundir-se para fora da cápsula fibrosa introduzindo-se no tecido mamário, músculos adjacentes ou mesmo em torno de alguns nervos. Durante a cirurgia para a sua remoção pode, neste caso, ser necessário remover algum tecido mamário.

Se surgir dor excessiva, pequenas deformações locais, sensação de queimadura ou de ardor deve consultar o médico-cirurgião.

Procure informar-se de como será programada a detecção de possíveis rupturas e quais os meios mais adequados para o fazer, quais os seus sinais e sintomas e que atitudes se poderão tomar, nomeadamente, no que se refere à cirurgia.

Extrusão e necrose tecidular
No caso dos tecidos que recobrem o implante estarem comprometidos ou existirem problemas de cicatrização, o implante pode sofrer um processo de extrusão com exposição do dispositivo, o que obriga à sua remoção. Factores como a infecção, o uso de corticosteroides na loca do implante, o tabagismo, a quimioterapia/radioterapia e o excessivo calor ou frio aplicados no local, têm sido associados aos fenómenos de necrose cutânea. Este processo pode ou não acompanhar-se de morte (necrose) de alguns tecidos cutâneos. A(s) cirurgia(s) correctiva(s) necessária(s) pode(m) não conduzir a resultados satisfatórios do ponto de vista estético.

Cicatrizes
De uma forma geral as cicatrizes são aceitáveis. No entanto, alguns doentes desenvolvem cicatrizes espessas, avermelhadas e dolorosas que podem levar bastante tempo a perder estas características (meses a anos).

Aparência das mamas com implantes mamários
De uma forma geral a aparência é semelhante à das mamas sem implantes mamários. No entanto, os resultados não são previsíveis de forma absoluta podendo a forma mamária não ser completamente satisfatória para a doente, mesmo na ausência de outras complicações. O sulco mamário pode ser menos marcado que o habitual e a mama não cair para o lado quando a mulher se deita de costas. A consistência da mama poderá ser um pouco mais firme que nas mamas sem implantes. Pode ocorrer deslocação do implante.

Pregas no implante
Por vezes a cápsula fibrosa que se forma em torno do implante pode condicionar o aparecimento de dobras e pregas que poderão ser, mais ou menos, visíveis ou palpáveis. Este fenómeno é mais frequente em mulheres com pouco tecido mamário.

Sensação do mamilo
A perda de sensibilidade no mamilo pode ocorrer. Frequentemente a sensibilidade está aumentada após a cirurgia por um período de 3 a 6 meses podendo nalguns casos ser doloroso.

Infecção e hemorragia
A infecção e a hemorragia em torno do implante após colocação por razões estéticas são raras. No entanto são mais frequentes após reconstrução mamária.

Atrofia do tecido mamário e deformidade da parede torácica

A pressão exercida pelo implante mamário pode condicionar atrofia do tecido mamário e/ou deformidade da parede torácica. Se mais tarde tomar a decisão de remover a prótese o resultado estético pode ser inferior ao que tinha antes da colocação da prótese, por estes motivos.

Galactorreia
Por vezes após colocação de implantes mamários verifica-se o início de produção de leite. Essa produção de leite pode parar espontaneamente ou após administração de medicação apropriada. Noutros casos, a remoção do implante poderá ser necessária.

Fonte: 
Infarmed
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.
Foto: 
ShutterStock