Obesidade é um problema de Saúde Publica

É imperativo combater a Obesidade!

A obesidade é uma doença crónica muito complexa e atinge todas as faixas etárias. A obesidade infantil, é atualmente um problema em Portugal, sendo que um quarto das crianças tem excesso de peso.

A obesidade, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é definida como a acumulação anormal ou excessiva de gordura corporal, que pode atingir graus capazes de afetar a saúde.

Esta é o resultado de insuficientes níveis de atividade física associados a uma alimentação inadequada, caracterizado por um consumo excessivo de calorias, maioritariamente provenientes de açúcar e gordura. Para além de ser uma doença por si só, a obesidade constitui um fator de risco para o desenvolvimento de outras doenças crónicas, como doenças cardiovasculares, doenças respiratórias, diabetes mellitus, entre outras.

É atualmente um dos mais sérios problemas de Saúde Pública, na Europa e em todo o mundo, superando outras questões clássicas como a subnutrição e as doenças infeciosas.

Os dados mais recentes, relativos a Portugal, segundo um estudo realizado por investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, referem que a prevalência da obesidade é de 22,3% (superior a estudos realizados em 2014 e 2016). Este problema é mais prevalente nas mulheres, nos idosos e nos indivíduos com menor nível educacional.

A obesidade é uma doença crónica muito complexa e atinge todas as faixas etárias. A obesidade infantil, é atualmente um problema em Portugal, sendo que 25% das crianças e 32,3% dos adolescentes têm excesso de peso (pré obesidade e obesidade).

Para diminuirmos esta epidemia, tenha em consideração as medidas abaixo indicadas:

1.      Alimente-se de uma forma saudável e equilibrada! Tenha uma alimentação variada, fazendo pequenas refeições, várias vezes ao dia. Evite o consumo de açúcares, gorduras saturadas e gorduras trans.

2.      Mantenha-se ativo! Opte pelas escadas ao invés do elevador, vá a pé para o trabalho, caminhe no mínimo 30 minutos por dia.

3.      Mantenha-se hidratado! Beba no mínimo 8 copos (1,5L) de água ou infusões de ervas sem adição de açúcar, por dia. Esta ajuda na sensação de saciedade e na desintoxicação do organismo.

4.      Faça as compras certas! Na hora de escolher o que levar para casa, evite levar alimentos processados ricos em açúcar e gorduras saturadas. Opte por alimentos frescos não embalados.

5.      Tenha uma boa noite de sono! Durante o sono, para além de não comermos, este ajuda a regular os níveis de leptina e grelina, duas hormonas que ajudam no controlo da fome.

6.      Tome o pequeno almoço! Saltar o pequeno-almoço parece uma forma fácil de cortar nas calorias, mas pode levar ao aumento da ingestão calórica ao almoço e durante o resto do dia.

7.      Encha o seu prato de cor! Acompanhe sempre as suas refeições com uma boa porção de vegetais, diminuindo o consumo de hidratos de carbono.

8.      Não viva obcecado com a balança. Mais que um número, devemo-nos concentrar nos hábitos que adotamos.

Referências:
Oliveira, A. et al., Prevalence of general and abdominal obesity in Portugal: comprehensive results from the National Food, nutrition and physical activity survey 2015 – 2016. BMC Public Health, 2018, pp.1–9.

Dra. Joana Malheiro – Nutricionista Hospital Lusíadas Lisboa
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.
Foto: 
Pixabay