Direção-Geral da Saúde

Casos de legionella dispararam. Sífilis e gonorreia também estão a aumentar

Os casos de legionella dispararam em 2014 no nosso país: mais de 500, quando no ano anterior não chegaram a uma centena. E a doença dos legionários continua a somar casos este ano, com um surto registado no Porto, em setembro, com 12 casos, e agora novo registo da presença da bactéria no centro de saúde de Vila Real de Santo António, no Algarve.

Mas os casos de legionella não foram os únicos a subir, escreve o Diário de Notícias. De acordo com o relatório Doenças de Declaração Obrigatória 2011-2014, publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), houve também um "aumento substancial" dos casos de doenças sexualmente transmissíveis - gonorreia e sífilis.

No ano passado, o surto de legionella em Vila Franca de Xira, que matou 14 pessoas, fez disparar as notificações que chegaram à DGS, já que esta doença faz parte da lista de declaração obrigatória. Foram 550 notificações, quando no ano anterior tinham sido apenas 97. Os dados fazem parte do relatório da DGS com informação de 2011 a 2014. Nestes quatro anos o número total de notificações foi de 884.

Já este ano registou-se mais um surto de legionella, mas de proporções muito inferiores. Em setembro, no Porto, registaram-se 12 casos que estariam associados à presença da bactéria num hotel. Ontem, o Correio da Manhã, dava conta da presença da Doença dos Legionários no centro de saúde de Vila Real de Santo António. A delegada regional de saúde, Ana Cristina Guerreiro explicou que a bactéria foi detetada no âmbito das "análises periódicas" que as autoridades de saúde fazem a vários edifícios e que neste caso foi encontrada "numa canalização antiga".

A delegada regional de saúde explicou que pediram "para não serem prestados cuidados nessa zona e para serem utilizados outros gabinetes do centro de saúde para essa função". Ana Cristina Guerreiro garantiu que "não há risco para os utentes" e que "estão a ser tomadas as medidas necessárias" para que a situação normalize.

Doenças sexuais aumentam
Da análise do relatório Doenças de Declaração Obrigatória 2011-2014, além do elevado acréscimo dos casos de legionella em 2014, a DGS aponta ainda "aumento substancial de infeções sexualmente transmissíveis, nomeadamente as infeções gonocócicas (gonorreia) e sífilis (excluindo Sífilis congénita). Quanto à primeira, a média entre 2011 e 2013 foi de 118 casos. Mas no ano passado foram notificados 206 (mais 90 casos do que no ano anterior). Em relação à sífilis o salto é ainda maior: 367 notificações, mais 181 casos.

A DGS registou ainda um aumento de casos de Salmoneloses não Typhi e não Paratiphy - a salmonella, provocada pela ingestão de água e alimentos contaminados, pode causar gastroenterite e infeção localizada - e da incidência de casos de infeção e meningite por Haemophilus influenza, a causa mais comum de meningite nas crianças.

Em sentido contrário, em 2014 registou-se uma "diminuição da incidência de casos de tosse convulsa, parotidite epidémica, doença de Creutzfeldt-Jakob e infeção e meningite meningocócica".

Fonte: 
Diário de Notícias Online
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico, Enfermeiro, Farmacêutico e/ou Nutricionista.

Resumo das Características do Medicamento: 1. NOME DO MEDICAMENTO Beacita 60 mg cápsulas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada cápsula contém 60 mg de orlistato. 3. FORMA FARMACÊUTICA Cápsula. 4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS 4.1 INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS Beacita é indicado para perda de peso em adultos com excesso de peso (índice de massa corporal, IMC, ≥28 Kg/m2) e deve ser tomado em associação a uma dieta moderadamente hipocalórica e de baixo teor em gorduras. 4.2 POSOLOGIA E MODO DE ADMINISTRAÇÃO Adultos: A dose recomendada de Beacita é uma cápsula de 60 mg três vezes ao dia. Não devem ser tomadas mais do que três cápsulas de 60 mg em 24 horas. O tratamento não deve exceder 6 meses. Caso os doentes não consigam perder peso após 12 semanas de tratamento com Beacita, devem consultar o seu médico ou um farmacêutico. Pode ser necessário descontinuar o tratamento. A dieta e o exercício são partes importantes dum programa para perder peso. Recomenda-se que se inicie uma dieta e um programa de exercício antes de iniciar o tratamento com Beacita. Enquanto estiver a tomar Beacita, o doente deve fazer uma dieta equilibrada do ponto de vista nutricional, moderadamente hipocalórica e em que as gorduras contribuam aproximadamente em 30% para o valor calórico total (por exemplo, numa dieta de 2000 kcal/dia, isto equivale a <67 g de gordura). A ingestão diária de gorduras, de hidratos de carbono e de proteínas deve ser distribuída pelas três refeições principais. A dieta e o programa de exercício devem continuar a ser seguidos após interrupção do tratamento com Beacita. Populações especiais. População pediátrica: Beacita não deve ser utilizado em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos devido a insuficiente informação sobre segurança e eficácia. Idosos (> 65 anos de idade): existem dados limitados sobre o uso do orlistato em idosos. No entanto, como o orlistato é minimamente absorvido, não é necessário ajustar a dose para idosos. Disfunção hepática e renal: não foram estudados os efeitos do orlistato em doentes com insuficiência hepática e/ou renal. Contudo, como o orlistato é absorvido em frações mínimas, não é necessário ajustar a dose nos doentes com compromisso hepático e/ou renal. Modo de administração: a cápsula deve ser tomada com água imediatamente antes, durante ou até 1 hora após cada refeição principal. Se for omitida uma refeição ou se esta não contiver gordura, a dose de Beacita deve ser omitida. 4.3 CONTRAINDICAÇÕES Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes, tratamento concomitante com ciclosporina, síndrome de mal absorção crónica, colestase, gravidez, amamentação, tratamento concomitante com varfarina ou outros anticoagulantes orais. 4.8 EFEITOS INDESEJÁVEIS As reações adversas ao orlistato são essencialmente de natureza gastrointestinal e relacionadas com o efeito farmacológico do fármaco na prevenção da absorção da gordura ingerida. Infeções e infestações: Muito frequentes: Influenza, Doenças do sangue e do sistema linfático: Frequência desconhecida: Diminuição do valor da protrombina e aumento de INR, Doenças do sistema imunitário, Frequência desconhecida: Reações de hipersensibilidade, incluindo, anafilaxia, broncospasmo, angioedema, prurido, erupção cutânea e urticária, Doenças do sistema imunitário: Frequência desconhecida: Reações de hipersensibilidade, incluindo anafilaxia, broncospasmo, angioedema, prurido, erupção cutânea e urticária, Doenças do metabolismo e da nutrição: Muito frequentes: Hipoglicémia, Perturbações do foro psiquiátrico, Frequentes: ansiedade, Doenças do sistema nervoso, Muito frequentes: cefaleias, Doenças respiratórias, toráxicas e do mediastino, Muito frequentes: Infeção respiratória superior, Frequentes, Infeção respiratória inferior, Doenças gastrointestinais, Muito frequentes, Eliminação de manchas oleosas pelo reto, Gases com descarga, Sensação de urgência em defecar, Fezes gordurosas/oleosas, Evacuação oleosa, Flatulência, Fezes moles; Frequentes: Dor abdominal, Incontinência fecal, Fezes líquidas, Aumento da defecação, Distensão abdominal, Afeção nos dentes, Afeção nas gengivas, Frequência desconhecida: Diverticulite, Pancreatite, Hemorragia retal ligeira; Afeções hepatobiliares: Frequência desconhecida: Hepatite que se pode tornar grave, Colelitíase, Aumento das transaminases e da fosfatase alcalina; Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos: Frequência desconhecida: Erupções vesiculares; Doenças renais e urinárias: Frequência desconhecida: Nefropatia por oxalato; Perturbações gerais e alterações no local de administração: Frequentes: Fadiga. 5. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Actavis Group PTC ehf., Reykjavikurvegur 76-78, IS-220, Hafnarfjordur, Islândia. 6. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO Registado no Infarmed I.P. com o nº 5474143, blister de 60 unidades. Registado no Infarmed I.P. com o nº 5474150, blister de 84 unidades. 7. DATA DA REVISÃO DO TEXTO 29 de outubro de 2012. Para mais informações deverá consultar o titular de autorização no mercado. Medicamento Não Sujeito a Receita Médica.