Hemorróidas

As hemorróidas são veias dilatadas e inflamadas no ânus e recto, que podem causar dor, comichão e sangramento. Como em qualquer outra parte do nosso corpo, esta região é vascularizada por artérias e veias, que recebem o nome de artérias e veias hemorroidais. Hemorróidas é o nome dado a este conjunto de vasos que fica na região do canal anal.

No entanto, ao contrário das veias do resto do corpo, as veias hemorroidais não possuem válvulas para impedir que o sangue fique preso. Portanto, qualquer aumento de pressão nessas veias propicia a sua obstrução, aumentando o risco de inflamação. Portanto, dito de forma mais simples, as hemorróidas (ou doença hemorroidal) são dilatações das veias do recto e ânus, que podem vir acompanhadas de inflamação, trombose ou sangramento.

As hemorróidas são um distúrbio muito comum. Estima-se que mais da metade da população acima dos 50 anos sofra deste problema em graus variáveis.

As hemorróidas são classificadas como internas, quando ocorrem no recto, ou extermas quando ocorrem no ânus ou no final do canal anal.

Os principais factores de risco para desenvolver as hemorróidas são a obstipação intestinal (prisão de ventre), o esforço feito para evacuar, a obesidade, a diarreia crónica, prender as fezes com frequência, evitando defecar sempre que há vontade, dieta pobre em fibras, a gravidez, o sexo anal, história familiar de hemorróidas, etc.

Independente dos factores de risco, as hemorróidas formam-se quando há aumento de pressão nas veias hemorroidais ou fraqueza nos tecidos da parede do ânus, responsáveis pela sustentação das mesmas.

Os sintomas podem surgir ou não, mas os mais frequentes são a dor, a comichão, o sangramento.

O diagnóstico das hemorróidas é simples. Nas externas o exame físico é suficiente para diagnosticar. Nas internas é preciso realizar o toque retal e, caso ainda haja dúvida, pode proceder-se a uma mini endoscopia onde se visualiza o recto por vídeo.

Em doentes idosos com sangramento pelo recto, mesmo que se identifiquem hemorróidas, é conveniente realizar a colonoscopia para se descartar outras causas. Como as hemorróidas são muito comuns nesta faixa etária, nada impede que o doente tenha uma segunda causa para o sangramento. É importante referir que as hemorróidas não degeneram em cancro.

O tratamento de cada um dos tipos depende de diversos factores, podendo ser utilizadas desde simples pomadas até á cirurgia.

Durante as crises, os banhos de assento com água morna, duas a três vezes por dia, podem trazer alívio para os sintomas agudos. Nas grávidas sugerimos compressas húmidas mornas. Deve-se também evitar limpar o ânus com papel higiénico, dando preferência a lavagens no bidé ou a jactos de aguá morna.

Nas pessoas com obstipação intestinal, então indicados laxantes para diminuir a necessidade de fazer força ao evacuar. A passagem de fezes muito volumosas e endurecidas pode causar lesão nas hemorróidas. Beber bastante água é importante, pois ajuda a humedecer as fezes, diminuindo a obstipação.

O aumento do consumo de fibras comprovadamente melhora os sintomas das hemorróidas. Os resultados podem ser notados em apenas 15 dias de mudança de dieta.

Evitar alimentos picantes é uma dica muito famosa para quem tem hemorróidas, todavia, não há provas de que a pimenta realmente piore os sintomas. Isto deve ser avaliado individualmente. Há doentes com hemorróidas que comem pimenta à vontade e não sentem nenhum agravamento, enquanto outros juram que um pouquinho de pimenta é suficiente para “irritar” as suas hemorróidas.

Pomadas, supositórios, comprimidos e cremes para hemorróidas, podem ser usados temporariamente, mas não devem ser usados sem orientação médica.

Se o tratamento não cirúrgico não for suficiente para controlar os sintomas, podem ser tentados tratamentos minimamente invasivos. Nas pequenas hemorróidas externas com trombos, o tratamento pode ser feito no consultório médico com uma pequena incisão, sob anestesia local, para a retirada dos coágulos. Isto é suficiente para o alívio dos sintomas.

A escleroterapia de hemorróidas, em casos mais graves que não conseguem ser controlados com medidas simples, pode ser necessária a laqueação elástica da hemorróida.

Hemorróidas internas
As hemorróidas internas ocorrem no recto e podem ser classificadas em quatro graus:

- Grau I: não prolapsam através do ânus;

- Grau II: prolapsam através do ânus durante a evacuação, mas retornam à sua posição original espontaneamente;

- Grau III: prolapsam através do ânus e só retornam para dentro com ajuda manual;

- Grau IV: estão prolapsadas através do ânus e o retorno não é possível nem com ajuda manual.

Habitualmente, as hemorróidas internas grau I não são visíveis e as de grau II, normalmente, passam despercebidas aos doentes, sendo muitas vezes o sangramento o único sinal indicativo da sua existência.

Noutros casos, podem causar dor se surgir uma trombose ou quando o esforço crónico para evacuar causa o prolapso da hemorróida para fora no canal anal. Já as hemorróidas internas grau III e IV podem estar associadas à incontinência fecal e à presença de um corrimento mucoso, que provoca irritação e comichão anal.

Hemorroidas externas
As hemorroidas externas, assim como as internas grau III e IV, são facilmente identificadas uma vez que são sempre visíveis e palpáveis. Costumam inflamar, causando dor e/ou prurido (comichão) e estão associadas a sangramento e dor ao evacuar e ao sentar. Em casos de trombose da hemorróida, a dor pode ser intensa.

Fonte: 
mdsaude.com
Nota: 
As informações e conselhos disponibilizados no Atlas da Saúde não substituem o parecer/opinião do seu Médico e/ou Farmacêutico.

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR  Procto-Glyvenol 50 mg/g + 20 mg/g Creme rectal  Tribenosido + Lidocaína  Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente.  Este medicamento pode ser adquirido sem receita médica. No entanto, é necessário  utilizar Procto-Glyvenol com precaução para obter os devidos resultados.  - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.  - Caso precise de esclarecimentos ou conselhos, consulte o seu farmacêutico.  - Em caso de agravamento ou persistência dos sintomas consulte o seu médico.  - Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários  não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico  Neste folheto:  1. O que é Procto-Glyvenol e para que é utilizado  2. Antes de utilizar Procto-Glyvenol  3. Como utilizar Procto-Glyvenol  4. Efeitos secundários possíveis  5. Como conservar Procto-Glyvenol  6. Outras informações  1. O que é Procto-Glyvenol e para que é utilizado  Grupo farmacoterapêutico: 6.7 - Aparelho digestivo. Anti-hemorroidários  Tratamento de hemorróidas externas e internas.  2. Antes de utilizar Procto-Glyvenol  Não utilize Procto-Glyvenol  - Se tem alergia (hipersensibilidade) às substâncias activas ou a qualquer outro  componente de Procto-Glyvenol.  Tome especial cuidado com Procto-Glyvenol  Procto-Glyvenol deve ser utilizado com precaução nos doentes com insuficiência  hepática grave.  Não existe experiência clínica com Procto-Glyvenol em crianças.  Utilizar Procto-Glyvenol com outros medicamentos  Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente  outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.  Não são conhecidas interacções de Procto-Glyvenol com outros medicamentos.  Utilizar Procto-Glyvenol com alimentos e bebidas  Não são conhecidas interacções com alimentos e bebidas.  Gravidez e aleitamento  Não deve utilizar-se o Procto-Glyvenol durante os primeiros três meses de gravidez. O  Procto-Glyvenol poderá ser utilizado a partir do 4º mês de gravidez e durante a lactação,  desde que a dosagem recomendada não seja excedida.  Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.  Condução de veículos e utilização de máquinas  Não há conhecimento de efeitos causados pelo uso de Procto-Glyvenol, na capacidade de  conduzir ou utilizar máquinas  Informações importantes sobre alguns componentes de Procto-Glyvenol  Devido à presença de álcool cetílico, o creme rectal Procto-Glyvenol pode causar  reacções locais na pele (ex. dermatite de contacto).  A possibilidade de algumas reacções alérgicas retardadas, podem ser devidas à presença  de parahidroxibenzoato de metilo e parahidroxibenzoato de propilo.  A embalagem de Procto-Glyvenol creme rectal contém látex. Este pode causar reacções  alérgicas em pessoas sensibilizadas.  3. Como utilizar Procto-Glyvenol  Utilizar por via rectal.  Evitar o contacto com os olhos.  Utilizar Procto-Glyvenol sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu  médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.  Após higiene cuidadosa da região anal, aplicar o creme rectal 2 vezes por dia, de manhã e  à noite, até os sintomas agudos diminuírem. Depois, reduzir a posologia aplicando o  creme uma vez ao dia.  Para tratamento das hemorróidas internas, deverá utilizar-se o aplicador que se enrosca na  bisnaga e introduzi-lo no ânus, pressionando a bisnaga a fim de introduzir uma pequena  porção de creme no recto.  Se utilizar mais Procto-Glyvenol do que deveria  Não existe qualquer experiência na sobredosagem do Procto-Glyvenol.  No caso de ingestão acidental, recomenda-se lavagem gástrica com tratamento  sintomático e medidas de suporte geral.  Caso se tenha esquecido de utilizar Procto-Glyvenol  Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de utilizar.  Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico  ou farmacêutico.  4. Efeitos secundários possíveis  Procto-Glyvenol é bem tolerado. Excepcionalmente, poderá acontecer:  Doenças do Sistema imunitário  Muito raros (<1/10.000): reacções anafiláticas, incluindo edema angioneurótico, edema  da face broncoespasmo e doenças cardiovasculares.  Doenças da pele e tecido subcutâneo  Raros (≥1/10.000, <1/1.000): reacções cutâneas no local da aplicação, incluindo sensação  de queimadura. Podem ocorrer rash, prurido e urticária. Estes sinais e sintomas podem  generalizar-se e estender-se para além do local de aplicação.  5. Como conservar Procto-Glyvenol  Manter fora do alcance e da vista das crianças  Não conservar acima de 25º C.  Não utilize Procto-Glyvenol após o prazo de validade impresso na bisnaga e na  embalagem exterior. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.  Não utilize Procto-Glyvenol se verificar sinais visíveis de deterioração.  Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.  Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.  Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.  6. Outras Informações  Qual a composição de Procto-Glyvenol  - As substâncias activas são: Tribenosido e Lidocaína, sob a forma de Cloridrato de  Lidocaína. Cada grama de Procto-Glyvenol creme rectal contém 50 mg de Tribenosido   (Glyvenol) e 21,2 mg de Cloridrato de Lidocaína (equivalente a 20 mg de Lidocaína  base).  - Os outros componentes são:  Ceteth-20;  Álcool cetílico;  Palmitato de isopropilo;  Parafina líquida;  Para-hidroxibenzoato de metilo;  Para-hidroxibenzoato de propilo;  Sorbitano, estearato (Arlacel 60);  Solução de sorbitol;  Ácido esteárico;  Água purificada.  Qual o aspecto de Procto-Glyvenol e conteúdo da embalagem  Procto-Glyvenol apresenta-se na forma farmacêutica de creme rectal, branco,  homogéneo, acondicionado em bisnaga de Alumínio.  Embalagem com 1 bisnaga com 30 g de creme rectal.  Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante  Titular da Autorização de Introdução no Mercado:  Novartis Consumer Health - Produtos Farmacêuticos e Nutrição Lda.  Av. José Malhoa, n.º 16 B, 1º 1-2  1099-092 Lisboa  Portugal  Fabricante:  Novartis Consumer Health S.A.  Route de l'Étraz - Prangins  P.O. Box 269  CH-1260 Nyon  Suiça  Medicamento não sujeito a receita médica  Este folheto foi aprovado pela última vez em: APROVADO EM  22-02-2007  INFARMED